Tenente Lúcio quer Uberlândia na Copa do Mundo

O deputado estadual Tenente Lúcio está cumprindo o seu segundo mandato na Assembleia Legislativa de Minas Gerais. Hoje, vice-presidente do PDT em Minas Gerais, o deputado uberlandense tem trabalhado junto aos seus pares buscando recursos e investimentos às dezenas de cidades que compõem a região, onde ele tem atuação e compromissos com as populações. Lúcio assumiu o cargo na Assembleia por ser suplente do PDT, substituindo Paulo César de Freitas que se elegeu prefeito de Nova Serrana, em 2006. Sua reeleição foi muito concorrida e já saiu eleito de nossa região, representando cidades do Triângulo e Alto Paranaíba com um total de 49.248 votos.

Alegre, sorridente e sempre disposto a trabalhar pelo povo, Tenente Lúcio concedeu entrevista à Dystak’s afirmando que já está como deputado há um mandato e meio, o tempo passa rápido, mas tem projetos importantes que foram aprovados e que hoje servem para a população como um todo. “Já este mandato estamos levantando a bandeira da Copa do Mundo de 2014, que será realizada no Brasil. Hoje, graças a Deus, estou presidindo a Comissão Extraordinária da Copa, já viajei por todo o Brasil. Com minha escolha para presidir esta comissão pela Assembleia Legislativa de Minas, já viajei desde Manaus, onde tivemos o encontro de todas as Comissões do Brasil, ao Rio de Janeiro, onde nasceu a ideia da comissão brasileira para sediarmos a Copa do Mundo”, afirmou.

A reportagem se interessou por saber sobre a concorrência de cidades mineiras para serem subsedes e o deputado continuou: “nós tínhamos dezenove cidades em Minas Gerais que estavam pleiteando ser uma subsede. Aliás, foram pré-selecionadas, mas hoje temos apenas quatro: Uberlândia, Juiz de Fora, Ipatinga e a Região Metropolitana de Belo Horizonte. Como a capital vai ser uma sede, nós estamos concentrando esforços em cima dos outros nomes, todos de grande importância, sobressaindo Uberlândia, é lógico. Não tem nenhuma cidade como Uberlândia, pelo estádio que é um dos maiores e melhores do Brasil; pelas emissoras de rádio e de televisão que temos, todas transmissoras linkadas para transmitir para o Brasil e o mundo todo o que precisa para ser um centro de uma seleção. Aqui temos um bom aeroporto, que está em plena fase de expansão e que é o segundo do estado de Minas Gerais à frente do aeroporto da Pampulha, que fica na capital. Aqui poderemos ter pousos e decolagens a qualquer hora do dia ou da noite. Temos grandes hospitais em condições de receber possíveis pacientes, nossas rodovias estão sendo duplicadas, os hoteis estão adequados para hospedagens, temos comércio ativo e tudo o que favorece as seleções para tranquilidade de suas delegações e torcedores”, reafirma.

A reportagem também quis saber quem manda. “Não é assim, quem manda. Na comissão todos os itens passam por uma avaliação antes de serem apresentados. O secretário extraordinário da Copa do Mundo em Minas Gerais, Dr. Tiago Lacerda, trabalhou muito e está nos ajudando na missão de trazer uma ou mais delegações para nossa cidade. As comissões estão trabalhando em conjunto e é um assunto que precisa de dados palpáveis, o que Uberlândia tem de sobra”.

Nada de deixar o povo

Sobre sua atuação nas comissões que faz parte como membro ou presidente, o deputado enfatiza que nada tira o foco de seu desejo e para o que foi eleito: trabalhar pelo povo. “Entre os dias 17 e 19 de maio eu cheguei em Uberlândia, onde pernoitei. No sábado fui para Santa Vitória, Chaveslândia, e pernoitei em Limeira do Oeste. No domingo de manhã eu fui para Carneirinho, visitei São Sebastião do Pontal, conversei com a população de Estrela da Barra, voltei à Carneirinho, Limeira do Oeste, passei em Iturama e vim para Uberlândia, chegando aqui tarde da noite. Então andei mil quilômetros no sábado e no domingo. Sou uma pessoa que não tem preguiça. Tenho vontade de trabalhar e ajudar as pessoas. Com isso nós temos que dar continuidade com muita seriedade àquilo para o que fomos eleitos”.

2014 está chegando. Copa do Mundo e eleições: não vai tumultuar? “O povo pode ficar despreocupado que vamos dar conta do recado. É para isto que estamos chamando nossos prefeitos, vereadores, militância do PDT, para uma jornada de muito trabalho. Hoje nosso partido cresceu muito e acredito não ter empecilhos com as duas missões. O povo vai nos ajudar. Agora uma coisa que venho falando é sobre a união da cidade e o empenho dos partidos sobre um número menor de candidatos. Tenho falado muito, porque é um número interminável de pessoas que vão buscar projeção para outras eleições se candidatando ao cargo de deputado. Se não houver a quebra do orgulho ferido, o fim da arrogância de algumas pessoas e outros pequenos detalhes, eu já falei que temos uma grande chance de perder pelo menos uma cadeira na Assembleia Legislativa e talvez ficar com apenas duas cadeiras para deputado federal. Isso devido ao grande número de postulantes a candidato que nós estamos tendo em Uberlândia. É uma pressão tanto dos deputados federais que querem ter votos aqui em Uberlândia, ou que querem lançar alguém aqui para ajudar na legenda de seu partido, mas principalmente nas legendas dos deputados estaduais. Isso é muito preocupante sim. Então se não nos conscientizarmos, pegarmos todas as forças que nós temos aqui, as entidades classistas, escolas de todos os graus e demais entidades componentes da sociedade com envolvimento geral, vamos perder. Se houver união de forças poderemos até aumentar o número. Hoje as pesquisas mostram que estão à frente para deputado federal os nomes de Odelmo Leão e Weliton Prado, mas eles vão travar uma luta dura para serem os majoritários. Este é o meu pensamento. Para deputado estadual nós temos cinco cadeiras, deveremos perder pelo menos uma devido ao grande número de pretensos candidatos que vamos ter. Isso vem em uma pressão de fora com igrejas, partidos políticos e aqui de algumas pessoas que querem colocar o nome em evidência para já vir para uma reeleição de vereadores. Outros acham que realmente têm condições de serem eleitos e vêm disputando a eleição. Então nós temos que respeitar a opinião de cada um e como eu disse, nós que já somos deputados temos que tentar ampliar as nossas bases fora de Uberlândia. É o que eu faço. Eu tive dezesseis mil votos fora de Uberlândia em 2010 e agora quero ter trinta mil nas próximas eleições, garantindo assim o nosso espaço”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *