Revista Dystak’s completa 30 anos e Mauro Mendonça destaca os desafios dessa trajetória de sucesso

especialmauromendoncaslider

A correria já é conhecida pelos leitores, investidores e da própria equipe que faz a Revista Dystak’s. Mesmo assim encontramos algumas “brechas” em sua agitada agenda e conversamos com o superintendente desta que é uma publicação independente e que completa em 2015, 30 anos de circulação. Lógico que no resumo o nosso entrevistado falou de dificuldades e de como fazer uma publicação que chega mensal e gratuita para os leitores. Acabamos por concluir que não tem sido fácil, mas Mauro Mendonça é um guerreiro e faz a Dystak’s acontecer.

Mauro, como a Dystak’s começou? Conte-nos essa história.

O que acontece normalmente é uma sequência familiar em uma empresa, onde os herdeiros dão continuidade ao trabalho com produtos e inovações que o tempo exige. A grande maioria das sucessões acaba falhando, até por proteção que os criadores querem dar aos herdeiros e estes não estão nem aí. Pensam no cargo e não na responsabilidade. No caso da Dystak´s foi mesmo a necessidade de se criar um produto novo e que não tinha na época. Aquelas revistas que começaram antes já haviam desaparecido. Afinal não é fácil. É um filme que passa na cabeça e que parece que foi ontem. Eu já tinha conhecimento junto à classe esportiva e fazia o jornal “Panorama Esportivo”. Por iniciativa própria e com a ajuda especial da hoje advogada, Eniêne Jânia Teixeira, decidimos fazer um jornal social para dar cobertura a uma comunidade seleta e que não tinha nenhum veículo próprio em seus eventos. Foi aí que com a ajuda de Eduardo Hubaide, Odomires Mendes de Paula, Onofre Camilo e com apoio extraordinário dos saudosos Dantas Ruas, Agenor Machado da Silveira, Adelívio Peixoto, Oranides Borges do Nascimento e Alfredo Mário Lima, fizemos o primeiro jornal. Um sucesso, o tablóide com 16 páginas. A edição estourou e fizemos outra reimpressão. Chegamos à edição número 21 e um acidente comercial fez com que por sugestão do Adelso Ferreira Tavares, já falecido, na Feniub de 1986, para que criássemos uma edição especial do jornal transformado em revista. Fantástica e com os erros técnicos deste editor a primeira Dystak’s circulou agradando a sociedade. Houve uma espécie de pesquisa e o Dantas Ruas avisou-me que não queria mais jornal e faríamos sempre revista. Alfredo Mário Lima, João dos Santos Pacheco, Eniêne Jânia Teixeira e muitos investidores apoiaram a ideia e foi aí que continuamos com esta que é a tradicional revista da sociedade uberlandense, onde os principais acontecimentos são destacados.

O que a Dystak’s representa para você como veículo de comunicação?

É uma representatividade muito abrangente. É saudável você chegar a um evento de primeira grandeza e ser recebido com atenção, ter acesso aos principais acontecimentos e saber que a sociedade aprecia o trabalho que realizamos com tanto carinho. Outra questão é quanto à satisfação dos investidores. Há um caso em que o empresário ao fechar suas portas porque o negócio não deu certo, afirmou: “chegar a Uberlândia sem anunciar na Dystak’s, é estar fadado ao insucesso”. Foi o que aconteceu. É que a Dystak’s sempre está onde os grandes acontecimentos são realizados, sempre fazendo coberturas com seriedade e profissionalismo de toda a equipe. Tem até casos de pessoas que se identificam como sendo da revista e isto às vezes nos criam certos problemas, mas que são sanados de imediato porque a maioria dos promotores e parceiros sabe o nosso modo de trabalho. Então no meu entendimento a Revista Dystak’s é hoje um ícone da comunicação em Uberlândia.

Como o pessoal da Dystak’s é visto pela sociedade?

Olha o ciúme é uma coisa que existe em todo lugar. Então a maneira de nosso trabalho na maioria das vezes causa inveja. Não nos interessa pessoas que não venham acrescentar aquilo que é Uberlândia. Tem gente que quer é aparecer e neste caso fica de “papagaio de pirata”, mas hoje com a era da informática fica fácil o trabalho de nossa equipe que sempre vai colocar pessoas que representam o que é a sociedade de Uberlândia. Dizem que cada um age a sua maneira e no caso da equipe da revista, temos a nossa aptidão em escolher pessoas e empresas que serão destacadas. Se o leitor fizer uma análise a inveja mora sempre ao nosso lado e nunca sabemos com quem andamos e nem com quem estamos nos relacionando. É bom que fiquemos sempre de olhos abertos para aqueles que procuram se aproximar. Isto é em qualquer lugar ou do cargo que a pessoa ocupa. Você mesmo pode fazer uma análise e ver com quem está se relacionando, seja em qualquer situação. Abra os olhos e fique sempre atento.

O nome da revista faz jus ao conteúdo que é veiculado?

É uma situação da qual tem julgamentos e análises. Quem fica fora critica, mas quem é Dystak’s sempre nos cumprimenta e investe na revista. Este é o nosso interesse. Além é lógico de levar sempre o melhor conteúdo para leitores e admiradores de nosso trabalho, mostrando sempre a realidade daquilo que é Dystak’s. Atuamos com seriedade. Quando não sabemos, perguntamos. Acho que vocês não usariam uma roupa que não fosse condizente com a beleza de vocês. É o nosso caso. O nome é Dystak’s, e o único que foge a regra sou eu, que para trabalhar tem que ser durão e muitas vezes mal interpretado, tido como arrogante e outras coisas de gente sem expressão. Acontece que os líderes de verdade apoiam e isto é nossa vitamina para a caminhada do dia a dia.

Permanecer no mercado por 30 anos não é fácil. O que você acha que possibilitou essa solidez?

A perseverança, carinho e amor de cada um de nossos colaboradores e leitores. O trabalho da equipe de apoio também faz parte, embora muitos que por aqui passaram não deveriam ter saído e são de grandes lembranças. Outros nem deveriam ter conhecido a nossa casa. Quanto à solidez depende muito de como a situação é analisada. Acho, contudo que a maioria aplaude e por isto estamos aqui. É mais fácil parar enquanto está no início do que continuar um produto de respeito e que nos propicia responsabilidade em fazê-lo. Sei de gente que leva a revista para processos forenses, inclusive na área conjugal, outros por ciúmes até somem com a Dystak’s. Finalmente todos amam a revista. Cada um com o seu devido respeito. Temos que agradecer porque tem muita gente que desaparece com a revista, mas colabora com a nossa equipe. Isto é de suma importância. Não há porque ter ciúme disso ou daquilo é só trabalhar com seriedade e fazer as coisas com mais carinho ainda.

Após 30 anos mostrando os acontecimentos da cidade, quais os que mais se destacaram?

Não há assim uma coisa especial. Tudo que fazemos é por igual. Se uma notícia é divulgada por nós é porque merece destaque e as pessoas citadas são de real importância para a sociedade empreendedora de Uberlândia e região. A nossa equipe está sempre onde os grandes acontecimentos são realizados. É bem verdade que selecionamos empresas e pessoas. Não adianta trabalhar com quem não tem representatividade. O resultado é zerado e isto não é o nosso caso. Gente fina é de Dystak’s. É bom que se diga que destaque não é ter dinheiro e sim conteúdo que possa acrescentar para nossos leitores.

Se fizéssemos uma retrospectiva, o que você gostaria de rever?

O carinho e o sorriso de pessoas que continuam vivas em nossas lembranças, como meus pais Cassimiro e Elza Barbosa, Dantas Ruas, Cícero Naves de Ávila, Agenor Machado da Silveira, Luiz Fernando Quirino, Gladsen Guerra de Resende, Alfredo Mário Lima, Joaquim Vital, Virgílio Galassi, Raul Pereira de Rezende, Renato de Freitas, Ivan Miranda Vieira, Cícero Diniz, Haydê Vasconcelos, Nicanor Monteiro, Adelso Ferreira Tavares, Genésio de Melo Pereira, e muitos outros que já foram destacados na revista. Agora confesso que a mágoa é ruim, mas tem gente que eu gostaria de passar longe, ou nem ter conhecido. São pessoas que mataram a fome aqui conosco e depois mostraram a personalidade que tinham. O fingimento é uma coisa que chama atenção, especial quando não se conhece uma coisa, fica sabendo e coloca aquilo, quase que como uma concorrência no dia a dia. Não uma concorrência comercial e sim usando o nosso nome ou produto para aparecer, ao invés de colocar uma melancia na cabeça.

Qual foi o maior desafio no início de sua carreira?

Ah, foi fazer uma coisa que eu queria, a cidade precisava e eu não sabia. No entanto as portas se abriram e hoje podemos falar sobre os 30 anos da revista. Isto eu devo à sociedade de Uberlândia, a Deus e aos leitores.

Minha família é de origem humilde e não temos o famoso pedigree que falam tanto, mas poucos usam com seriedade quando possuem. Morei na fazenda até os 14 anos de idade, onde fazia tudo na lida com o gado, lavoura e outros serviços. Mudamos para a cidade e fui ser fabricante de sorvetes, açougueiro, técnico de laboratório para pavimentação, tintureiro, vendedor, e em 1966, depois de servir o Exército, fui convidado pelo já saudoso J. Ferreira, para um teste na Rádio Cultura. Fui aprovado, ajudado por muitos colegas. Só tinha fera como o famoso Paulo Henrique Petri, Anibal Fernandes, Ophir Lopes Cândido, Josué Borges, Ademir Reis, Ildeu Resende, Dantas Ruas, Ronaldo Silva, Alfonso Andrada Prieto, Danúbio Bezerra, Abílio Segadães, Hugsmar Quintino, Eloi Costa, Maurílio Catito, Odival Ferreira, Paulo César Pegoraro, Luiz César Fabrini, José Expedito, J. Ferreira, Cleto Gomes, Ari Novaes Rocha, Zé do Bode, Manoel Neves, e muitos outros. Temos que salientar também o carinho dos diretores profissionais da época, entre os quais Moacir Lopes de Carvalho, Wilson Ribeiro, Castor Sobrinho, Paulo Henrique Petri, Ettore Braia, e outros que não faziam rádio por diversão. No entanto deixei de ser locutor em 1978, passando para a mídia impressa.

Lembro com saudade do tempo em que trabalhava na rádio, em que a TV ainda não existia com tanta força. Um tempo de muita saudade e que consegui grandes companheiros. Tive muita sorte. Deus me ajudou, me iluminou para entrar na mídia impressa, criando jornais de empresas, clubes de serviços, sociais e até para eventos esportivos. Este foi só um dos grandes desafios. Agora pode ter certeza que para se chegar aqui, os invejosos sempre tentaram esparramar espinhos pelo caminho. Alguns machucaram e isto a gente não esquece, mas deixa prá lá. Todo mundo sabe o que faz. Hoje com 69 anos quero muito que a revista continue e para isto estou tentando. Esta equipe da Dystak’s é muito bacana.

Qual seu tempo dedicado a revista? Durante tantos anos teve que sacrificar relações pela sua dedicação ao ofício? Arrepende-se de algo?

A dedicação é de 24 horas. Quando você usa este tempo para trabalhar, alguém fica prejudicado, especialmente a família. É um ofício árduo você ter que levar a frente uma iniciativa que teve e que goza do respeito dos investidores e clientes. Arrependimentos você sempre tem e um em especial são os favores feitos e que as pessoas não reconhecem. Não é cobrança. É que a humanidade tem mudado muito. O respeito está faltando em todo lugar, especialmente com o surgimento das redes sociais, onde o pessoal se preocupa tanto com o ter e se mostrar, que se esquece de ser.

Que importância dá as relações externas e internas na revista? A equipe de profissionais e os clientes. Como faz para manter durante tanto tempo parceiros e amigos?

Você tem que ser diferente. Não adianta copiar aquilo que os outros estão fazendo. Na década de 70, quando trabalhava no rádio, aprendi com o Paulo Henrique Petri que você tem que levantar cedo, deitar tarde e estar sempre onde os acontecimentos importantes acontecem. Você tem que estar sempre onde possa aprender com alguém que já passou por aquela experiência e saber empregá-la na sua vida. Isto de estar ligado sempre ao trabalho acaba por destruir famílias, mas se você não agir assim, não vai ter como manter o dia a dia de esposa e filhos e ter os mesmos problemas. Quando a fome chega é duro. Temos que salientar também que quando você tem dinheiro, consegue muita coisa que na falta, traz aborrecimentos. É bom que todos saibam que o dinheiro não compra saúde. Às vezes ameniza situações, mas eu prefiro viver feliz onde sou tratado como gente. A felicidade é tudo na vida do ser humano.

Existem objetivos maiores a serem alcançados por você e por sua equipe dentro da revista? Quais os próximos desafios?

Se o leitor ou vocês mesmas fizerem uma análise, vão saber que na Dystak’s, usamos tudo o que há de melhor, inclusive tendo o prazer em colocar na revista, pessoas e empresas com representatividade. Usamos os melhores equipamentos. O melhor papel e uma equipe de garra. No início diziam que a internet iria acabar com a mídia impressa, o que não aconteceu e nem vai. Os próximos desafios é esperar o respeito daqueles que estão convivendo conosco e pedir a Deus que ilumine a mente do ser humano para que haja respeito e carinho com os seus semelhantes. Isto já seria muito bom para a conquista de um grande desafio, mas só Deus para fazer isto. A humanidade tem inveja de cargos, posições e conhecimentos de alguém. Quer ter, antes de ser.

Qual conselho você daria aos empresários que pretendem firmar patrimônio em nossa cidade e construir suas empresas em Uberlândia? Em relação a seu posicionamento com o mercado e sua visão de empreendedor, poderia relatar as três lições mais importantes que aprendeu desde a fundação da Revista Dystak’s?

Trabalhar muito. Ter os pés no chão. Não humilhar o próximo. Respeitar os seres vivos, inclusive os animais. Conversar com a família, filhos, esposa, esposos, pais, e saber com quem está vivendo. Escolher amigo não é fácil, mas se você olhar no espelho vai ter uma esperança muito grande em confiar na pessoa que aparece do outro lado. Tem gente que te procura pessoalmente ou liga apenas para pedir as coisas. São poucos aqueles que lhe cumprimentam por mais um dia, liga para falar sobre uma coisa importante. As fofocas estão sempre em primeiro lugar. Essas lições seriam um bom caminho para quem quer ter sucesso em seus negócios. Agora, se conselho fosse bom, você não daria, venderia. Mas, boas saídas seriam trabalhar muito, escutar e analisar tudo e saber onde está colocando os pés. Quando você está por cima está cheio de malas ao seu lado, ligando, oferecendo e outras coisas. Tem gente, e isto é verídico no meu caso, que sabia que o negócio era “uma fria”, mas precisava levar algum lucro. Não pretendo prejudicá-los, mas com certeza se arrependem e um dia alguém vai cobrar.

Agradecimentos a alguém especial?

Agradeço a Deus em primeiro lugar, por me oferecer a oportunidade de liderar uma equipe e estar junto a uma sociedade marcante em nível Brasil. Obrigado aos clientes e investidores que sempre disseram sim quando procurados para inserções comerciais na Dystak’s. Neste parágrafo peço também a Jesus que proteja aqueles que tentam colocar espinhos nos caminhos das pessoas e aqui na Dystak’s. Vamos estar sempre à disposição de cada um, para que possam saber como é que vence uma história. É lógico que tem as mágoas de alguém, mas são pessoas que de alguma forma fugiram as regras daquilo que é a nossa revista.

Para finalizar o que gostaria de dizer a nós e aos leitores?

Que Deus possa iluminar seus caminhos, e que vocês saibam aproveitar as oportunidades que surgirem. Saibam dar valor àqueles que lhes estendem as mãos e tenho certeza que na sua infinita bondade, Jesus está olhando por todos nós aqui na terra e acompanhando aquilo que de bom ou ruim estamos praticando com os nossos semelhantes. É a balança da vida. Espero também que outras comemorações possam surgir e enquanto Deus me der forças quero estar com a sociedade para retratar os seus eventos vitoriosos, e acima de tudo contar sempre com os investidores, leitores e amigos da Dystak’s.

Depoimentos

 

“A Dystak’s faz parte de uma empresa que vem se destacando. 30 anos consecutivos não é para qualquer empresa. O que eu vejo é que em pleno século XXI, estamos aí com o país na situação que está e o que nós temos o prazer de estar junto e ajudando a fazer esta festa dos 30 anos da Dystak’s, onde a equipe nos honra por sediarmos o grande dia. Parabéns ao Mauro e toda a sua equipe”! – Rodrigo Magalhães – Palácio de Cristal.

“Mauro, o que eu posso dizer é que a sua revista foi um grande acontecimento para Uberlândia. Ela tem registrado as fases mais importantes de crescimento da nossa cidade. Então, só nos resta dar-lhe o mais profundo abraço e parabéns, por ter contribuído com muita eficácia, para o conhecimento de todos que chegam de fora, mostrando como é que realmente Uberlândia existiu nos últimos 30 anos, principalmente com esta grande comemoração no dia 10 de abril”. – Aldorando Dias de Sousa – empresário e presidente do Praia Clube.

“Quando você pergunta, por que Uberlândia chegou nesse ponto majestoso de grandeza, de desenvolvimento, numa reflexão rápida, vamos encontrar a parte da comunicação em Uberlândia de uma forma crescente e de uma maneira que sempre demonstra o que tem sido a cidade através do trabalho de sua gente. E nesse trabalho majestoso da parte de comunicação que vivemos e que temos orgulho de exibir em Uberlândia, encontramos a Revista Dystak’s que com seus 30 anos tem contribuído continuamente pela nossa grandeza, pelo desenvolvimento de Uberlândia. Parabéns ao Mauro Mendonça, parabéns a família e nós agradecemos muito por tudo que eles têm feito, constituindo-se em uma das grandes revistas da comunicação brasileira. Parabéns a Revista Dystak’s”. – Dr. Badue Morum Bernardino – advogado e empresário.

 

“Nossa, eu acho que é a melhor revista que tem dentro de Uberlândia. Sou leitora assídua desde a primeira edição e inclusive já fomos investidoras. Parabéns a equipe Dystak’s e toda a sociedade que tem a honra de ter uma publicação como a Dystak’s, onde podemos ver a história de tudo que foi importante na cidade”. – Flávia Lívia de Souza Silveira – escrivã do Cartório de Protestos.

 

“A Revista Dystak’s trouxe para Uberlândia uma inovação clássica, moderna e construtiva no mundo da mercancia e do empresário, e nós sabemos da seriedade de seus empresários que trabalham com a revista. Isso faz com que a gente sempre acompanhe de perto os acontecimentos sociais e empresarias de Uberlândia”. – Eversio Donizete – escrivão substituto do Cartório de Protestos de Uberlândia

 

“Sucesso absoluto, consagração de uma marca importante para o nosso município, veiculo de informação de entretenimento de acompanhamento e desenvolvimento tanto da área privada quanto as redes públicas da nossa cidade. Então temos que parabenizar o Mauro e toda sua equipe por esse trabalho maravilhoso, desenvolvido na nossa cidade há 30 anos. São três décadas que temos que comemorar com muita festa, muita alegria e muito trabalho”. – Murilo Alves Ferreira – secretário de Agropecuária de Uberlândia.

“Sucesso. Deus tem te ajudado, tem te beneficiado, e eu creio que é um marco para nós. A Revista Dystak’s é um sinônimo de realização, sinônimo de progresso do que acontece na cidade, do que tem se despontado de melhor. A Dystak’s tem feito coberturas, com um trabalho excepcional, que só o Mauro pode estar à frente, fazendo, realizando e acontecendo. Eu creio que é uma revista que faz a diferença na cidade de Uberlândia e essa história é patrimônio para nós cidadãos uberlandenses” – Guilherme Fernandes Miranda – diretor do Supermercado Econômico e Frigorífico Real.

“É uma vitória, pensar nessa turma poderosa, começar interagir o seu serviço em Uberlândia. É uma vitória de Uberlândia. Não é em qualquer lugar que pode ter uma publicação com esse histórico, com essa soma de serviços prestados. A memória de Uberlândia está registrada e muito bem registrada nestes últimos 30 anos, graças a essa equipe maravilhosa da Dystak’s”. – Dr. Oscar Virgílio – escritor e advogado.

“Olha Mauro, é uma maravilha! Imagina o que você já passou nesses 30 anos. Não é fácil não, manter uma revista durante todo esse tempo. Maravilha e parabéns a você e toda a equipe”. – José Oscar Bredariol – presidente do Grupo Breda.

 

“Eu acho que a gente precisa reverenciar mais o trabalho que a gente tem. Acho que existem duas coisas na vida que não podemos perder: a humildade e a auto-estima, habilidades comportamentais que é necessário saber valorizar. Olha Mauro, 30 anos de uma revista é uma coisa que precisa ser comemorada e ser reconhecida como uma vitória. Você é um vencedor por esse trabalho, pela forma com que você fez, pela história que você tem escrito, por tudo que representa, e sobre tudo pela inspiração que você leva a tantas pessoas que seguem o seu exemplo. Você, o seu filho que é uma das mais belas obras, um seguidor de seus trabalhos”. – Celso Machado – empresário, produtor, escritor e amigo.

 

“Coisa maravilhosa hein Mauro! 30 anos de sucesso, de cobertura, de mostrar para a sociedade de Uberlândia e redondeza tudo aquilo que nós temos de bom, mostrando esse povo trabalhador, povo progressista, que ama essa cidade, como nós amamos e cada vez mais fazendo o melhor por ela, tentando fazer, alguns mais e outros menos. Assim como você, conseguimos sucesso, parabéns”! – Paulo Henrique Petri – diretor Social do Praia Clube.

 

“Esse é um momento para coroar o trabalho de uma equipe séria como vocês na nossa cidade, uma revista que está completando 30 anos e que mostra quem é de Uberlândia, que luta e gosta de trabalhar pelo município, vai longe, vai distante e atinge o objetivo e se realiza isso que é a Revista Dystak’s”. – Breno Linhares Lintz – promotor de justiça.

 

“Uma oportunidade ímpar de comemorar o grande trabalho que a Dystak’s tem feito ao longo da sua existência, trazendo a história para nós, escrita e fotografada, presente para todas as ocasiões e em todos os pontos importantes que Uberlândia passou nesses 30 anos. Parabéns ao Mauro e toda a sua equipe”. – Panayotes Tsatsakis – empresário e presidente do Sinduscon-TAP.

 

“Uma marca histórica na Imprensa local e que só poderia ter sido alcançada graças a um nome: Mauro Mendonça dos Santos. A Revista Dystak’s é a cara da sociedade uberlandense por todo esse tempo. Mauro nunca fez segredo do seu sucesso. Dystak’s é Mauro e Mauro é Dystak’s e ponto final. Levantar cedo todos os dias, bater na porta do cliente para o café da manhã e muitas das vezes chegar antes dele em sua empresa. Sem preguiça, sem hora para almoço ou jantar, este é o Mauro, que nestes 30 anos de Dystak’s merece o reconhecimento, não só de Uberlândia, mas em especial dos que sempre acreditaram em seu sucesso. Parabéns! Mauro não morreu”. – Ademir Reis – diretor de Comunicação da Câmara Municipal de Uberlândia, apresentador da Band Triângulo – colunista, articulador político e editor do jornal Gazeta de Uberlândia e que por quase 20 anos foi repórter e redator da Dystak’s.

“Ah meu Deus do céu que maravilha! O que eu posso falar?  30 anos é quase uma eternidade. E até costumo dizer Mauro, que quem chega aos 30 anos recebe uma medalha de ouro. Merece esta medalha de ouro, porque não é fácil ser um empresário com 30 anos no mercado, em todas as circunstâncias. Eu costumo dizer muito que, infelizmente no Brasil, o empresário é mal visto em alguns casos, e falta muita coisa. Nós temos carga tributária que eu considero imoral, insuportável, nossos encargos sociais são elevadíssimos. Então eu imagino o seguinte, que como empresários, nós tínhamos que ter um reconhecimento muito maior, porque é muito difícil. Você está de parabéns. Eu conheço sua luta, desde o primeiro dia, eu sei o que você passou e sei a dificuldade que você enfrentou para que a Revista Dystak’s chegasse a ter 30 anos de circulação.  Parabéns! Você sabe que somos amigos há mais de 30 anos e eu acompanho cada passo da revista, e é muito honroso e prazeroso ser seu amigo e ter essa convivência de tantos anos”. – Odomires Mendes de Paula – presidente do Grupo Paula Tavares. 

 

“Eu quero deixar uma mensagem para toda a equipe da Revista Dystak’s. Nós sabemos da importância da revista para toda a cidade de Uberlândia, para o meio empresarial, para o nosso povo. Dystak’s é uma revista que nós sempre esperamos a próxima edição para ver quais são os acontecimentos de relevância para o povo de Uberlândia, e ficamos muito felizes. Nós da administração municipal sabemos o quanto é bom poder contar com esse meio de comunicação que sempre trás informações de qualidade para o povo de Uberlândia. Quais são os vetores de desenvolvimento da nossa cidade, juntamente com nosso prefeito Gilmar Machado, as pautas prioritárias, e assim dialogar com a nossa população. Então deixo nossos parabéns, a essa revista, que é uma das mais importantes do interior de Minas Gerais, e uma equipe realmente de amigos que nós temos, todos vocês da Revista Dystak’s”. – Gustavo Moreira – secretário Municipal de Comunicação. 

 

“A Dystak’s é sem dúvida nenhuma grande promoção e elevação da cidade de Uberlândia. Ela coloca tudo o que acontece, com a força viva das entidades classistas e da comunidade como um todo. Nossos parabéns ao Mauro, toda a sua equipe e aos investidores que sempre estão com a Dystak’s, fazendo com que nós leitores tenhamos esta que é a tradicional revista impressa da cidade”. – Marco Túlio Marquez – presidente do Grupo MM.

 

“30 anos de Dystak’s, realmente a Revista Dystak’s é vencedora. O seu empreendedor Mauro, que conheço de tantos anos sempre foi um batalhador, e todos que não recuam a qualquer porta que fecha vencem. O Mauro está nessa situação hoje, pelo trabalho desenvolvido todos esses anos, e a qualidade da revista também evoluiu como muitas coisas evoluíram no mundo. O setor de saúde, outras coisas, e aquelas revistas que simplesmente continuaram neste padrão de 30 anos atrás sucumbiram, desapareceram. Parabéns para a equipe Dystak’s por todo esse trabalho desenvolvido durante esses 30 anos, e que continue evoluindo porque evolução é algo nato do ser humano. Nesse pensamento do Mauro de estar sempre atualizado tenho que dar a ele os parabéns, desejando o sucesso eterno nesta atividade”. – Dr. Carlos Alberto Miro da Silva – advogado e produtor rural.

 

“Nossa como o tempo passa. Parece que foi ontem que começamos uma parceria com a Dystak’s. Hoje tenho na revista não só um meio de divulgação de nossos trabalhos como profissional da odontologia e vereadora, mas sim a amizade, admiração e todo o carinho com esta que é a revista que mostra a realidade da sociedade uberlandense”. – Dra. Flávia Carvalho – vereadora e odontologista.

“Olha, 30 anos é uma marca de muito resultado. Digo isso porque quando a CDL fez 30 anos, você deu cobertura. A Revista Dystak’s estava presente com um trabalho maravilhoso. Recentemente eu estava vendo essa revista e lembrando os momentos históricos que você marcou com a sua equipe, com seu trabalho, e isso eu espero que aconteça nos 30 anos da Dystak’s, do grupo Rede Dystak’s de Comunicação, porque quem faz bem feito tem que ficar registrado e tem que ficar na história, tem que ficar como legado”. – Celso Vilela – ex-presidente da CDL Uberlândia e empresário.

 

“30 anos da Dystak’s, eu acho importante porque faz parte da nossa história, da nossa tradição. A gente sempre quer ver e sempre tem novidade. Parabéns pelos 30 anos a toda equipe da Revista Dystak’s”. – Wilson Pinheiro – vereador, empresário e advogado. 

 

“Desde quando cheguei a Uberlândia, sempre tive a atenção da equipe da Revista Dystak’s. É um veículo que sempre está acompanhando os nossos trabalhos, e hoje como delegado da GAECO de Uberlândia (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), tenho que render meus cumprimentos a toda esta equipe de pessoas empreendedoras e que fazem os bons acontecimentos chegarem até os leitores”. – Eduardo Leal – delegado da Polícia Civil.

 

“Só quem não sai na Dystak’s não oferece a esta revista o devido valor. Eu quero parabenizar a equipe desse meio de comunicação, mandar um abraço a todos, dessa revista maravilhosa, essas pessoas que coordenam esse trabalho que vocês fazem aqui, e desejar muito sucesso porque vocês merecem. O trabalho da equipe a gente sabe que é difícil. Acontece no dia a dia, de manhã de tarde e de noite, nas melhores festas da cidade vocês estão lá na frente. Parabéns a equipe da Revista Dystak’s”. – Ismar Prado – vereador.

“Eu acho que é um momento muito importante, os 30 anos da Dystak’s é um sucesso para todos nós. Sabemos que ter uma organização, principalmente uma revista por um longo período não é fácil. Parabéns a equipe Dystak’s, porque para manter com qualidade e com sucesso tem que ser uma equipe de primeira grandeza e isto vocês tem nesse veículo. Isso é honroso para Uberlândia e para nós uberlandenses, que podemos ter uma mídia impressa com uma circulação assim”. – Araken de Carvalho Novaes – presidente do Conselho Superior da CDL, empresário e produtor rural.

 

“Três décadas. É difícil fazer esse tipo de pergunta não é Mauro? Para quem acordou sempre três horas da manhã para escrever página para a Dystak’s e fazer a cidade acontecer. É o registro fiel de quem fez Uberlândia nesses últimos 30 anos. De quem contribuiu de alguma maneira para construir essa revista e a cidade como um todo. Tenho orgulho em ter pertencido à equipe Dystak’s, época em que fazer uma revista era bem mais difícil. Vocês venceram e nós uberlandenses somos orgulhosos com isto”. – Neivaldo Silva – assessor político e jornalista.

 

“Investir no que é bom, sempre nos oferece prazer. Sinceramente fico impressionado com a batalha da equipe liderada pelo Mauro Mendonça, que sempre oferece o melhor na cobertura dos principais acontecimentos empresariais e sociais de Uberlândia. Nós da Dreste Construtora juntamente com nossos familiares, cumprimentamos a todos da Dystak’s, assim bem como aqueles que colaboram para esta circulação durante 30 anos”. – Luiz Fernando Violatti – diretor da Dreste Construtora.

 

“Criar uma empresa é fácil, são milhares abertas todo ano no Brasil. Fazer esta empresa crescer é trabalhoso, sobreviver a todas variáveis políticas e econômicas, consolidar uma marca, conquistar mercado na área da comunicação é tarefa para poucos. Parabéns Mauro e equipe Dystak´s, batalhadores que superam desafios e hoje temos orgulho em parabenizá-los pelos 30 anos de sucesso em circulação”. – Carlos Magno d’Armada – presidente da Associação dos Profissionais de Propaganda de Uberlândia (APP).

 

“Ninguém pode falar sobre a Dystak’s, sem antes cumprimentar a liderança e o empreendedorismo do Mauro Mendonça, meu grande amigo. Sinto o prazer em ser de Uberlândia e estar sempre sendo cumprimentado pelos colegas de outras regiões, pelo poderio que a Dystak’s representa, envolvendo os fatos marcantes da grande Uberlândia. A Dystak’s mostra tudo com textos e fotos dando credibilidade aos fatos”. – Tenente Lúcio – deputado federal.

 

“Você falar sobre a Dystak’s, é prazeroso e demonstra a humildade e perseverança de toda a equipe comandada pelo Mauro Mendonça. Tenho orgulho em ser vereador da Câmara Municipal de Uberlândia e amigo de todos que contribuem para o sucesso da Revista”. – Norberto Nunes – vereador.

“A Revista Dystak’s, uma das pioneiras no mercado editorial merece parabéns ao completar 30 anos. Sempre foi um veículo relevante para a comunidade de Uberlândia e uma data especial assim é para comemorar. A Refrigerantes do Triângulo que completa 50 anos em 2015, sabe os desafios e superações que toda empresa enfrenta para ter sucesso por décadas.” – Luiz Alfredo Massaro – diretor presidente Refrigerantes do Triângulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *