Odomires Mendes de Paula. “O empreendedor nasce com a força do sangue nas veias”.

tangarasliderEm qualquer pesquisa são várias as suposições sobre empreendedor ou mesmo empreendedorismo. Escritores divergem nas palavras, mas o resultado sempre é o mesmo: trabalho com dedicação, amor e carinho naquilo que faz.

O empreendedor Odomires Mendes de Paula, um dos líderes do setor empresarial de Uberlândia, nasceu em Araguari, ou mais precisamente no Distrito de Amanhece, no dia 11 de setembro de 1940. É filho de Francisco Mendes de Paula e Orlandina Ondina. É casado com Aldair Alves Mendes e o casal tem dois filhos, Germano Mendes de Paula e Gustavo Mendes de Paula. Ele morou na roça até os nove anos, quando seu pai faleceu e aí então mudou com a família para Araguari, onde viveu até os 14 anos. Seu irmão comprou um pequeno supermercado, estilo mercearia, chamado Empório Azul em Uberlândia e ele veio junto para ser entregador de mercadoria, naquelas bicicletas cargueiras que hoje só existem algumas como souvenir ou lembranças. O primeiro lugar era na Felisberto Carrijo e depois na Floriano Peixoto. Aí foi quando ele decidiu ser bancário, onde trabalhou por seis anos, surgindo então uma grande mudança em sua vida.

Foi assim que o presidente de várias entidades e empresas de Uberlândia, começou uma entrevista com a nossa reportagem, onde o objetivo principal era a coqueluche do uberlandense, o Tangará Country Club.

“Olha antes eu tenho que falar mais sobre minha infância e dizer o porquê do empreendedorismo. Aos 11 anos de idade eu já tinha uma grande clientela que me comprava verduras, aves, catava esterco, engraxava sapato e outros trabalhos ligados ao ruralismo ou mesmo da cidade. O meu primeiro sonho foi comprar uma bicicleta, mas eu não tinha condições de comprar uma nova e contentei com uma usada. No dia seguinte eu comecei a sonhar com uma novinha. Trabalhei, consegui e sempre realizei meus sonhos”.

 

E o Tangará?

 

“As nossas empresas já fizeram diversos loteamentos na cidade e em várias partes do Brasil. Quando foi a vez das chácaras Morada dos Pássaros e Quintas do Bosque, eu reservei uma área verde oriunda da Mata Atlântica. Quando fechei o negócio eu já pensava em utilizar aquele paraíso lindo para uma comunidade e não apenas para uma família. Hoje graças a Deus o Tangará pertence a mais de dez mil famílias. Acho que tive a felicidade de descobrir o Tangará, cujas primeiras obras ficavam dentro do bosque. Era apenas uma piscina provisória, um vestiário pequeno e o conjunto de churrasqueiras. É por isto que eu digo que tudo nasceu em função do bosque. Há 36 anos eu visito o Tangará e participo de tudo, sempre com o prazer de estar no meio de uma reserva florestal daquele tamanho. Este nome que eu achei bonito e acabei descobrindo que era um pássaro. Até as cores do clube imitam o pássaro que são alaranjada, vermelho e azul. Hoje dentro do bosque ficaram apenas as churrasqueiras e o vestiário, porque a piscina construída provisoriamente foi desativada por três motivos importantes: primeiro porque era a única piscina cuja água não era tratada no clube e isto é coisa importante; segundo é questão de segurança e terceiro porque ela ficava em cima da cabeceira do córrego Terra Branca. Hoje o local está totalmente protegido e por coincidência depois que desativamos a piscina a água que abastece mais de 200 fazendas até a represa de Capim Branco, pode ser utilizada com tranqüilidade. Este é o interesse da proteção da nascente do Terra Branca” disse Odomires.

 

O projeto de hoje

 

Ao falar sobre a atualidade do Tangará, Odomires afirmou que “nós já tínhamos em mente esta desativação da piscina e foi quando contratamos o arquiteto Fernando Graça, que elaborou o projeto de expansão e construção do clube. Era um projeto para ser executado em longo prazo o que estamos praticando. Primeiro fizemos a piscina, uma das maiores de Minas Gerais, com 2.400.000 mil litros de água. Aí as coisas foram surgindo como o bar e restaurante, toboáguas, ginásio de esportes, salões de festas, campos de futebol, quadras de voleibol, peteca, vestiários, portaria, passarelas, parques infantil, estacionamento e até o asfaltamento da Avenida Orlandina Ondina, ligando a Avenida do Aeroporto até o Tangará. Não utilizamos recursos de nenhum órgão público. Quando o asfaltamento da Avenida foi feito, tive que vender todos os meus imóveis e bens para construir o que é hoje um sonho de todos os associados. No meio entrou até uma casa que eu tinha feito para morar, mas não teve outro jeito e ela também entrou nas negociações. Tudo foi investimento nosso em benefício dos associados e dos próprios moradores do bairro. Neste caso foi uma homenagem que fiz a minha mãe, que de saudosa memória tem hoje esta avenida importante no bairro Aclimação que leva o seu nome. A aprovação do nome foi feita pela prefeitura porque entenderam na época que tudo devia ao nosso esforço e por isto a grande realização. Tudo que tem no Tangará é fruto do trabalho da equipe liderada pelo amigo e Diretor Geral Rolberque Nogueira de Araújo. Agora por último inauguramos o rio lento, uma maravilha que tem encantado os nossos associados e aqueles que nos visitam. Acredito também que em breve teremos a piscina com ondas, mas primeiro temos que providenciar o sistema de energia do clube, para não depender exclusivamente da CEMIG. Vamos ter geradores de energia para não falharmos com os associados que são os verdadeiros donos do clube. É até saudável que podemos dizer que muitos clubes fecharam suas portas ou estão com grande inadimplência financeira, enquanto o Tangará aumentou em 50% o número de contribuintes nos últimos dois anos. Tudo acontece porque oferecemos o menor custo e o maior benefício. Posso afirmar que aumentamos nesta temporada apenas dois reais nas mensalidades, pois o nosso carro chefe hoje é o Plano Empresa, hoje com mais de 160 empresas de todos os portes na cidade. Quando estas empresas apresentam acima de dez associados funcionários, estes ficam isento das joias e com descontos de até 26% nas mensalidades. Sempre digo ainda que entre estes sócios que são as motivações do nosso trabalho no clube estão ainda meus dois filhos Germano Mendes de Paula e Gustavo Mendes de Paula e minha esposa Aldair Alves Mendes” encerrou o presidente Odomires Mendes de Paula, o menino que saiu de Amanhece aos nove anos, e hoje é um articulador de negócios e empreendimentos empresariais, políticos e sociais na cidade de Uberlândia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *