“Nós estamos vendo dias mais complicados no Governo de Minas Gerais, não estamos vendo nenhum horizonte”, diz Luiz Humberto Carneiro.

luizhumberto-slider

O deputado estadual Luiz Humberto Carneiro (PSDB) há 16 anos atuando na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), está sentindo agora o peso em ser da oposição do atual Governo do Estado, pois com sua capacidade sempre ocupou cargos de destaque nos governos de Aécio Neves, Antônio Anastasia e Alberto Pinto Coelho, podendo contribuir com o desenvolvimento do estado.

“Estou na ALMG há 16 anos. Nos três primeiros mandatos, eu diria que tive a honra de estar ao lado do governador Aécio Neves por oito anos, depois do Antônio Anastasia e no final do Alberto Pinto Coelho. Nesse período eu sempre participei de decisões importantes, inclusive como líder de governo. Então a gente podia participar bem de perto dessas decisões, ou mais do que isso, dos projetos que os governos estavam apresentando para o desenvolvimento do Estado, que teve um desenvolvimento muito grande. Várias empresas estiveram aqui em Minas Gerais, destacando Uberlândia e foram grandes as conquistas. Agora nesses últimos dois anos que eu estou nesse mandato, como oposição lamentavelmente a gente não vê um Governo totalmente interessado, para o desenvolvimento de Minas Gerais. Não existe nenhuma preocupação em trazer uma nova empresa que possa gerar empregos e impostos para o Estado, e o que se nota é a punição daquelas que já estão instaladas. O governante tem que entender que se não gerar emprego, não gera uma melhor arrecadação para o Estado e também não desenvolve os programas sociais como é o caso da educação, da saúde e da segurança. Enfim, nós estamos vendo o Estado afundar realmente em uma lama difícil de ser recuperada, e mais do que isso, o Governo através de artimanhas, tenta fugir da lei de responsabilidade fiscal que é a mais importante dos governantes, pois ela determina exatamente onde o Governo pode gastar dentro de um orçamento, e nós não estamos assistindo isso em Minas Gerais. O Brasil está passando por dificuldades, mas Minas Gerais está indo na irresponsabilidade eu diria que do nosso governador Fernando Pimentel que não tem olhado para tudo isso. Então fica difícil, e nós estamos vendo dias mais complicados no Governo de Minas Gerais, não estamos vendo nenhum horizonte, nenhuma proposta que possa tirar Minas da atual situação”, afirmou Luiz Humberto Carneiro.

O deputado mineiro destacou ainda, que mesmo diante da situação delicada que o país está enfrentando, alguns estados ainda estão lutando para superar essa dificuldade. “Foi o que aconteceu com o Espírito Santo, dentro da crise ele buscou programas que realmente fossem ao encontro do desenvolvimento. O Estado baixou impostos, enxugou a máquina e trouxe através de uma boa administração um modelo para o Brasil, que precisava realmente dessa retomada, de contrapartida por parte do Governo do Estado para que houvesse a sobrevivência. É diferente do que está acontecendo em Minas Gerais, que não tem nenhum programa para trazer atração de novas empresas, que possam contribuir para o desenvolvimento”.

“Estamos assistindo mudanças. Vamos citar o Rio de Janeiro também, que é uma situação complicada através da arrecadação muito alta por causa do petróleo, não só dos royalties, mas também da arrecadação do ICMS e que levou empresas para lá dando subsídios e incentivando a instalação delas. O que acontece hoje é que não existe essa arrecadação por parte do Governo do Rio de Janeiro, é que o petróleo entrou em crise. Então a coisa ficou difícil. No contexto geral o que nós estamos vendo, é a má administração em certos estados, que estão em situações difíceis, como tem ocorrido em Minas Gerais”, reiterou o deputado.

Luiz Humberto também falou sobre o retorno de Odelmo Leão para a Prefeitura de Uberlândia. “Eu acho que a população uberlandense já está sorrindo com o Odelmo na administração da cidade. Acho que a esperança, a expectativa toda que nós estávamos com a vitória do Odelmo, aconteceu. O jeito de governar do Odelmo todos nós já conhecemos através da sua capacidade, da sua vontade e do seu desejo de acertar. Ele assumiu agora, e já começou montando uma equipe de altíssimo nível. Eu confesso que fiquei surpreso. Não tem uma falha nos nomes em que Odelmo escolheu para administrar Uberlândia ao seu lado. Eu acho que buscou pessoas certas, comprometidas com a cidade, além disso, o poderio técnico de cada um para tirar uma cidade do “buraco” como nós estamos. Para administrar bem uma cidade, você precisa de pessoas competentes e que realmente conhecem a fundo o poder público. Eu tenho absoluta certeza de que dentro de pouquíssimo tempo Uberlândia já vai ter os resultados positivos. E percebo na própria população o desejo, a vontade de ajudar também, isso é muito importante quando a população entende que não se consegue do dia para a noite resolver de imediato os problemas. Mas alguns programas eu diria que sim. Eu fui à posse do legislativo, executivo e do secretariado e percebi na fala do Odelmo, não uma fala de político, mais uma fala de administrador onde através de gestos, como os projetos que ele já encaminhou para a Câmara enxugando a máquina e trazendo já propostas de desenvolvimento e resultados para a cidade. Um exemplo, ele já está preocupado com o surto de dengue aqui em Uberlândia. Então veja bem, ele já está convocando todo o secretariado e a população em uma ação conjunta para fazer movimentos dentro dos bairros para que possa ser feito realmente, não só a limpeza dos bairros, mas também já trazer melhorias necessárias, para dar uma resposta à população. Então, vejo que Uberlândia vai voltar a crescer e digo com toda sinceridade, que o Odelmo terá algumas dificuldades com relação ao Governo do Estado, no que diz respeito ao Governo Federal não acredito tanto, mas eu tenho absoluta certeza de que com a sua excelente administração feita no passado e com a experiência que ele tem nesses anos todos de vida pública, Uberlândia vai se recuperar em um prazo muito curto”.

Com relação ao Triângulo Mineiro, onde o deputado tem uma grande liderança, ele disse que existe uma grande alavancada nesses últimos anos, com destaque para o setor sucroalcooleiro. “Foi o setor sucroalcooleiro porque as ações começaram no governo do Aécio Neves e houve continuidade no governo do Antônio Anastasia, e Alberto Pinto deu sequência, através de ações que estiveram sempre no mapeamento e favoreceram o setor. Primeiro se preocupou no local onde instalar as suas usinas para que a mão de obra ou até mesmo a matéria prima e investimentos não interferissem em uma e outra. Então isso foi uma preocupação muito grande já corrigindo erros de outros estados. Depois vem a preocupação e ela é grande porque é um setor que emprega muito a mão de obra e traz uma arrecadação grande para os municípios. A preocupação também foi de colocar cada um em seus municípios e depois abaixamos na época o ICMS. Eu posso falar porque participei em grande parte disso também. Nós tínhamos o ICMS de 25%, aí ele caiu para 19% e depois para 14%. Com isso o setor sucroalcooleiro tem dado um respaldo muito grande ainda ao Estado de Minas Gerais. Há pouco tempo, vimos o Estado querer elevar os impostos e graças a Deus com uma luta muito grande nossa da oposição, isso não foi permitido. O Governo recuou e estão aí os investimentos do setor sucroalcooleiro. Eu posso citar o da Usina Coruripe que é um investimento de 100 milhões de reais, e o da Usina Aroeira em Tupaciguara, que o investimento foi na ordem de 40 milhões, então tudo isso voltado também para o açúcar que é um produto que o mercado demonstra tudo de positivo. Esse setor felizmente contribui muito com a região, mas necessita de investimentos, infelizmente nós não estamos tendo esse investimento na região pela falta de recurso do Estado, por causa da quebradeira que esse Governo levou Minas Gerais, mas temos perspectivas de que o setor do agronegócio, que eu noto muito forte, que possa estar contribuindo não só com o Triângulo Mineiro mais com Minas e com o Brasil”, ressaltou o deputado Luiz Humberto Carneiro.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *