Gilmar Machado destacou a importância do otimismo em momentos de crise e detalhou o trabalho realizado a frente do Governo Municipal  

gilmarslider

O professor, ex-deputado e prefeito de Uberlândia Gilmar Alves Machado, tem extensa trajetória na vida pública, que foi marcada por suas ações benéficas ao município de Uberlândia e a região. Ações que o ajudaram a demonstrar o seu trabalho e a consolidar sua carreira política desde quando foi eleito como deputado estadual (por duas vezes), federal (por quatro vezes) e prefeito com mais de 236 mil votos.

Nesse contexto, o chefe do executivo municipal, disse que está fazendo jus a confiança que lhe foi depositada pelos eleitores. “Tenho a consciência tranquila de que nós estamos cumprindo aquilo que nós nos comprometemos com a população”.

Gilmar Machado, que está no governo do município desde janeiro de 2013, recebeu a equipe da Dystak’s em seu gabinete na Prefeitura Municipal de Uberlândia no dia 09 de março de 2015. Momento em que ele falou sobre o trabalho que tem desenvolvido em seu governo, sobre crise hídrica e econômica e a respeito do apoio recebido do novo governador de Minas Gerais. Além de outros assuntos que estão sendo evidenciados em sua gestão.

Dystak’s – Prefeito, enquanto o senhor era deputado estadual e por vários mandatos na esfera federal, foram várias as vezes que o senhor beneficiou a região com os seus projetos. Hoje como prefeito de Uberlândia, como se sente?

Prefeito – Todo parlamentar tem que ter um compromisso com a cidade e a minha parte enquanto deputado eu tentei fazer, para a cidade, não só em relação ao programa “Minha Casa Minha Vida”, mas também na área de Mobilidade Urbana, com várias obras que melhoraram o trânsito da cidade, e acho que esse tem que ser o papel de todo parlamentar. Agora com a presença do Tenente Lúcio em Brasília, que está viabilizando recursos para a cidade, acreditamos que nós possamos melhorar bastante em relação ao apoio do Governo Federal, que não nos tem faltado, nós temos hoje um governo muito aberto nos ajudando bastante.

Uberlândia tem hoje uma representatividade com três deputados federais e cinco estaduais, podendo chegar a seis e ainda conta com o apoio do Governador de Minas, assim como o senhor, o que o uberlandense pode esperar?

O Governo Federal tem sido muito correto com Uberlândia, tem ajudado muito. A cidade desenvolveu graças ao Governo do presidente Lula e da presidenta Dilma e agora com o governo do Fernando Pimentel, eu tenho certeza de que Uberlândia vai voltar a ter espaço, tanto é que em menos de três meses de governo, o governador Pimentel, já abriu uma Escola Estadual que realmente, estava fazendo muita falta no Shopping Park, já criou o terceiro Batalhão da Polícia Militar, ampliou o número de policiais e aumentou o efetivo da Polícia Militar, que era um sonho de mais de dez anos da população de Uberlândia. O governo do estado tem voltado seus olhos para o município e com certeza a parceria com o governador Fernando Pimentel vai ser muito benéfica para a população de Uberlândia.

O Fernando Pimentel mandou pagar a dívida de mais de 16 milhões que ficou na área da Saúde, já pagou mais de 10 milhões, então realmente ajudou muito, Uberlândia estava penalizada, tinha mais de quatro meses, no final de 2014, que o governo do estado deixou de mandar remédio, agora já está regularizando novamente, os medicamentos da farmácia básica do programa Rede Farmácia de Minas, então há um novo olhar para a cidade de Uberlândia, nós estamos realmente tendo já a preparação, o apoio de recursos para a abertura da nova Unidade de Pronto Atendimento – UPA, já marcou para novembro a abertura do SAMU em Uberlândia, então isso tudo realmente tem nos ajudado e animado bastante, para que nós possamos ter um ano de 2015 muito melhor em todas as áreas.

Na Educação, sempre ocorrem reclamações. Por quê? Como está a área da Educação em Uberlândia?

Uberlândia hoje é a única cidade de Minas, que paga o piso salarial nacional por 20 horas/semanais, da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação, não há outra cidade em Minas, que está fazendo isso. Então nós melhoramos muito, mas pegamos realmente a situação da educação com mais de 10 mil crianças fora da escola, com o salário muito ruim, as escolas praticamente todas realmente com muitos problemas, de estrutura de condições de trabalho. Nós estamos fazendo um processo muito grande de recuperação, a segurança agora, os educadores infantis, na jornada de cinco horas, que era um sonho também de mais de dez anos dos educadores do município, criamos uma gratificação para os Auxiliares de Serviços Gerais – ASG(s), que são os nossos merendeiros, o pessoal que trabalha em nossas escolas. Além disso, pela primeira vez Uberlândia entrega um Kit completo de uniforme para todas as nossas crianças, com tênis, saias shorts para as meninas, short dos meninos, todo o equipamento adequado, ajudando no orçamento familiar e ao mesmo tempo, melhorando, estimulando as nossas crianças para poderem estudar mais e melhor.

Quando o senhor assumiu o mandato prometeu uma equipe de coalizão. Transcorridos 28 meses, foram feitas alterações em todos os escalões. Questões políticas ou falta de entrosamento?

Primeiro que nós tínhamos alguns secretários que tinham o compromisso de estarem conosco em apenas um período e nós tínhamos professores universitários, que tinham compromissos de pesquisa, de tese que estavam desenvolvendo e que eles não tinham condições de ficar o tempo todo no governo.  E outras mudanças nós fizemos para que nós pudéssemos melhorar a atualização do governo, alguns secretários nossos viraram superintendentes, como é o caso do secretário de Saúde, então tivemos algumas alterações para que a gente pudesse realmente, fazer com que todos eles voltassem a cumprir o programa de governo e acima de tudo dinamizar o trabalho. Foram vários secretários, eu agradeço muito a eles que nos ajudaram a plantar coisas que agora nós começamos a colher. Inclusive o Paulo Romes Junqueira que deixou o cargo, agora administra o Distrito Industrial, o que agiliza a nossa negociação com as empresas para que nós possamos abrir novas empresas e possamos realmente melhorar o atendimento, do Distrito Industrial, então é uma mudança importante. Várias coisas que foram plantadas ao longo de dois anos, agora no terceiro ano, nós estamos colhendo.

Qual a importância para os segmentos empresariais e comerciais, na questão da administração do Distrito Industrial ter passado do Estado para o Município?

A gestão do Distrito Industrial vai ficar por conta do município e nós já temos uma agência que vai nos possibilitar para que possamos, não somente comercializar as áreas, mas também melhorar a área do Distrito e atrair como nós já conseguimos duas empresas importantes de Tecnologia da Informação (TI) e pretendemos continuar com esse trabalho de desenvolvimento, de atrair para o município, empresas na área de tecnologia, porque nós temos aqui mão de obra qualificada, o salário é maior, é uma atividade que não polui e ao mesmo tempo, nós aumentamos a geração de empregos e com uma renda melhor.

Com relação ao benefício para os empresários, nós estamos fazendo o mesmo tratamento que fizemos para as empresas que vem de fora, agora para as que estão em Uberlândia, com isso a Coca Cola vai fazer sua segunda unidade em Uberlândia, a Start também vai ampliar sua fábrica.  Mas exatamente o mesmo tratamento que foi dado para a AMBEV, nós estamos dando para quem estava aqui, porque antes os incentivos eram somente para quem vinha de fora. Sendo assim, várias empresas daqui começam a expandir as suas unidades, fruto exatamente dessa mudança e da política que nós fizemos de apoio também às empresas que já estão instaladas na cidade.

As parcerias políticas que aconteceram no atual mandato atrapalharam alguma coisa na sua administração?

Não, política a gente sempre faz com parceiros, ninguém faz nada sozinho, esse discurso de que o cara sozinho é o todo poderoso, não cabe na política. A política é a arte de servir e para você servir, você precisa de vários parceiros aliados. Um partido sozinho não governa.

Em todo o Brasil existem reclamações no setor da Saúde. Faltam medicamentos, profissionais e leitos. Como o nosso prefeito tem administrado esta questão?

Uberlândia tem uma defasagem de leitos muito grande, esse foi o maior problema que eu recebi. Quando assumi a Prefeitura de Uberlândia 80% da população reprovava a gestão da saúde e nós estamos trabalhando exatamente no sentido de recuperação, primeiro intensificando cada vez mais o atendimento a atenção primária. No período em que assumimos a Prefeitura, tinham 47 equipes do programa Saúde da Família, hoje estamos com 73. Então nós ampliamos muito a atenção primária para que a gente pudesse desafogar as nossas UAI(s) e ao mesmo tempo, termos um acompanhamento mais próximo das pessoas. Em segundo lugar, nós estamos construindo três Unidades de Pronto Atendimento – UPA(s), que era um compromisso nosso. Estamos agora fazendo a criação da urgência e emergência e com o novo governo, isso está sendo agilizado e vai nos possibilitar implantar o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência – SAMU ainda neste ano. Assumimos o controle e criamos a Fundação Saúde do Município de Uberlândia – FUNDASUS, que vai ser a maior máquina do nosso governo, uma fundação pública que vai cuidar exatamente das nossas unidades de saúde. Estamos abrindo agora um concurso de quase três mil vagas, ainda no primeiro semestre desse ano. O que vai fazer com que a gente tenha profissionais com plano de carreira definida e acima de tudo com melhor remuneração, isso tudo realmente faz com que a gente possa ter uma ampliação, um crescimento na atenção. Logicamente vimos o estado anterior boicotando Uberlândia, com mais de quatro meses sem enviar medicamentos da farmácia básica de Minas, onerando muito o orçamento da Prefeitura de Uberlândia. Não pagando os recursos que deveria pagar para o Hospital Municipal, não assumindo os compromissos, ficando com uma dívida de mais de 16 milhões somente na área da saúde. Então agora nós estamos vivendo uma nova fase esse ano, com um governador que respeita a Prefeitura de Uberlândia, respeita o povo dessa cidade e nós estamos então superando essas dificuldades. Já abrimos três Unidades Básicas de Saúde novas, não é mais casa alugada e nem improvisada, agora nós temos unidades com todos os equipamentos adequados para o atendimento da população, com isso nós estamos realmente melhorando e tenho a certeza de que nós vamos melhorar ainda mais. Agora se nós não tivéssemos equacionado os problemas da regionalização que vem com a regulação da urgência e emergência regional e com o SAMU, nós não vamos ter realmente uma melhoria significativa, sendo assim, esperamos estar com isso concluído até o final do ano, com o apoio agora decisivo do novo governador Fernando Pimentel.

Com a atual crise financeira, como o nosso prefeito pensa em fazer obras importantes para a população, como o corredor de ônibus da Avenida Segismundo Pereira, viadutos e outras obras anunciadas em seu programa de governo?

A atual situação não vai atrapalhar. Primeiro porque são financiamentos que nós conseguimos junto à presidenta Dilma, dentro do projeto de Mobilidade Urbana. Nós já estamos com as licitações na rua e em breve nós estaremos iniciando o primeiro corredor da Avenida Segismundo Pereira e também do Terminal, Novo Mundo. E os outros também já estão todos em fase de licitação e evidentemente com isso nós temos uma melhoria significativa, no setor de Transporte. E com relação aos corredores, não serão inviabilizados em virtude desse problema, já que é um financiamento, que já está assegurado, afinado e os recursos já estão na conta da Caixa Econômica Federal.

Além disso, nós estamos fazendo uma política de valorização do transporte público. Nós estamos trocando os ônibus, agora não são mais aqueles ônibus que eram pintados e falavam que eram ônibus novos. Os ônibus agora realmente são novos, são mais de 130 ônibus novos já no sistema de transporte público de Uberlândia e ainda no primeiro semestre teremos oito ônibus novos articulados com ar condicionado e WIFI funcionando no corredor da Avenida João Naves de Ávila. Então é um processo de melhoria, todos os novos ônibus de hoje já são com suspensão a ar, não são mais de mola, eles são muito mais confortáveis, silenciosos e com dois metros a mais, o que atende muito melhor a nossa população. A questão do transporte público para nós é algo essencial e nós vamos realmente trabalhar.

Escutamos certa vez enquanto o senhor era deputado, que a crise nunca atingiria Uberlândia. A sua opinião é a mesma ou está aliada ao que dizem executivos de todo o País?

Nem toda cidade é uma ilha, por isso que eu dizia que Uberlândia não podia viver isolada, essa era a minha grande crítica e eu particularmente assumi a Prefeitura de Uberlândia, e coloquei o município novamente dentro da Associação dos Municípios da Microrregião do Vale do Paranaíba – AMVAP. Uberlândia que virava as costas para a região e não participava da AMVAP e da Associação Mineira de Municípios – AMM, hoje tem uma atuação ativa nessas associações, se integra com os municípios da região, não acha que é melhor do que nenhuma cidade menor, Uberlândia quer ser parceira. Abrimos o Hospital Municipal que era fechado para a região. Uberlândia trabalhou contra o SAMU, que não queria o SAMU, que não permitia que a região pudesse ter acesso a nossa rede de saúde, nós mudamos completamente isso. Mas porque nós achamos que a cidade somente vai crescer se tiver um processo de integração. As crises são difíceis e tem que ser enfrentadas e estão sendo enfrentadas. Agora mesmo com todas as dificuldades, nós estamos implantando plano de cargo de carreira, em que a cidade está pagando o melhor salário da região. Sendo que mesmo quando Uberlândia estava numa fase áurea, com muito recurso vindo de Brasília e de Belo Horizonte, não fez isso. E mesmo agora nessa crise, nós estamos assegurando a todos os nossos servidores, hoje eles tem plano de saúde, vale alimentação que antes não tinham. A crise não pode ser desculpa para a gente não fazer melhorias para as pessoas, porque a nossa prioridade na gestão, é cuidar de gente. Essa é a maior preocupação, então mesmo com todas as dificuldades, com a situação de Minas e do Brasil, Uberlândia está sabendo enfrentar, com muita criatividade, reduzindo custos, diminuindo cargos comissionados e acima de tudo investindo em gente.

O que o senhor tem a dizer sobre a crise hídrica?

Uberlândia conseguiu sair vitoriosa desse processo, no ano passado, por mais que nós tivéssemos dificuldades, a nível estadual e nacional, que todo mundo está vendo, a cidade tem hoje uma política muito firme. Antes de a crise acontecer nós conseguimos os recursos, financiamentos junto ao Governo Federal, para a construção da terceira estação de tratamento de água de Uberlândia, que já está em licitação, nós vamos captar água da represa de Capim Branco. As empresas estão vindo para Uberlândia, exatamente porque sabem que nós temos uma água barata, em quantidade e acima de tudo que nos possibilite crescer e desenvolver, até mesmo porque sabem que nós estamos dando segurança para elas. Estamos ampliando através do DMAE, o programa de recuperação das nascentes com o projeto Buriti, e o Água Cidadã, em favor da preservação dos rios. Apoiando os produtores rurais que hoje nos ajudam a manter os nossos mananciais para que nós possamos ter água em abundância, na nossa cidade. É verdade que a população também tem que colaborar. Fizemos uma campanha muito forte e educativa, por isso quero agradecer a população de Uberlândia, que nos ajudou fazendo economia também de água e ao mesmo tempo Uberlândia, que pelo seu trabalho hoje foi escolhida, como uma das quatro cidades do Brasil, que vão representar o país na Coreia do Sul, no congresso mundial promovido pela ONU, que trata sobre a questão hídrica. Então Uberlândia vai ser uma das quatro cidades do Brasil, que vão estar lá, e fui escolhido vice-presidente da Frente Nacional de Prefeitos, para cuidar da água, exatamente pelo trabalho exemplar que a cidade hoje tem, no cuidado, do enfrentamento da questão hídrica. Por que não ficamos reclamando e nem lamentando, mas criando políticas concretas de apoio às nascentes, a economia e em campanha educativa, dentro do nosso conceito de cidade educadora.

O senhor tem conversado com Ministros e Secretários de Estado. Alguma promessa de Brasília ou Belo Horizonte, para solucionar as necessidades imediatas em Uberlândia?

Não nenhuma promessa somente coisas concretas, o governador Fernando Pimentel já tomou providências na área da segurança, quando em conjunto com o comandante Geral da Polícia Militar de Minas Gerias – coronel Marco Antônio Badaró Bianchini, anunciou a criação do novo Batalhão da PM em Uberlândia, ação que vai fazer com que a gente tenha mais policiais. Na área da educação, abriu uma escola que estava fechada, foi inaugurada no ano passado, mas que na verdade não tinha como abrir e nem como funcionar, porque não tinha documentação e nem condições, e já foi aberta. Vamos trabalhar para abrir a outra também, que não pagou a construtora que está com 85% da obra concluída e a gente espera resolver isso até o meio do ano. Além disso, já pagou a dívida anterior e está refazendo um novo acordo conosco de manutenção do Hospital Municipal, e da Unidade de Pronto Atendimento – UPA que nós devemos abrir no aniversário da cidade e ao mesmo tempo, tem nos ajudado agora também a fazer os pagamentos, manter os remédios em dia que o estado não estava mantendo. Então acho que só tenho a agradecer, porque o Governo Federal e o Governo do Estado têm sido muito corretos com Uberlândia.

Em síntese o senhor acha que a administração está dentro do esperado pelos milhares de eleitores que o elegeram em 2012?

Nós estamos cumprindo aquilo que nós falamos que iríamos fazer. Os idosos aqui têm passe livre, os mais de sessenta anos e os jovens pagam menos transportes do que pagavam. Hoje nós temos os ônibus novos e modernos que não tínhamos. Temos as Unidades Básicas de Saúde, nós abrimos em dois anos, mais equipe do programa Saúde da Família do que nos últimos dez anos de Uberlândia, mais do que o dobro, em 10 anos abriram-se doze equipes, sendo que nós apenas em dois anos e dois meses nós já abrimos mais 23 equipes no programa Saúde da Família. Então nós estamos fazendo exatamente aquilo que nós nos comprometemos. Prometemos dois Parques Lineares, construímos um e já estamos construindo o segundo. Nós estamos fazendo mais de 7.300 moradias do programa “Minha Casa Minha Vida”, em Uberlândia. Estamos fazendo agora loteamentos também urbanizando, lotes para a população de baixa renda, então nós temos a consciência de que estamos realmente construindo uma cidade educadora, agora isso não se faz de uma hora para outra, mas é um processo. Eu particularmente estou muito feliz, porque a população está entendendo, revitalizando as praças, academias ao ar livre, que só tinha no Parque do Sabiá e agora tem nos Bairros de Uberlândia. Todos os nossos Distritos hoje também têm parquinhos e acompanhamentos. A nossa Zona Rural, nunca teve tanto apoio na área da manutenção das estradas vicinais, como nós estamos tendo agora, então, tenho a consciência tranquila de que nós estamos cumprindo aquilo que nós nos comprometemos com a população.

Com a equipe da Dystak’s, o senhor pessoalmente jamais faltou com atenção. Como analisa o trabalho geral da imprensa com relação ao seu governo?

Eu particularmente acho que a imprensa é livre no Brasil, e sempre defendi isso. Em Brasília como deputado, sempre me pautei por isso, e agora eu entendo que cada órgão e veículo têm liberdade de manifestar, fazer seus apontamentos e eu pessoalmente entendo que a imprensa de Uberlândia desenvolve o seu trabalho. Eu prefiro não colocar nada com relação ao trabalho de cada um, até mesmo porque cada veículo tem seu método e sua forma de divulgar e trabalhar. Eu só quero agradecer a Rede Dystak’s de Comunicação porque tem acompanhado todas as atividades, tanto através do meio de comunicação impresso quanto também da TV. Tem abordado os temas e alertado também sobre problemas na cidade que sobre tudo nos ajuda a melhorar o nosso trabalho.

Uma mensagem do prefeito de Uberlândia, com relação aos 30 anos da Dystak’s e ao Dia do Prefeito de Uberlândia, no dia 11 de abril.

Tenho a dizer que Uberlândia é uma cidade privilegiada, por ter órgãos mais sérios e empresas sérias que tem uma vida longa. Ninguém chega há 30 anos à toa.  Ninguém consegue manter-se, ainda mais numa área tão difícil, como são os meios de comunicação e principalmente uma revista que conseguiu chegar à cidade, mantendo qualidade e aperfeiçoamento cada vez mais. Chegar a trinta anos realmente não é pouca coisa, sinal de que realmente tem uma proposta clara, séria e evidentemente, Uberlândia só tem a ganhar com isso. Eu particularmente comprimento a empresa e considero muito relevante, essa data que vem a destacar o Dia do Prefeito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *