Gilmar Machado conta a história dos 100 dias e sua vida como cidadão, deputado e prefeito de Uberlândia

O prefeito Gilmar Machado, mesmo com a correria dos primeiros 100 dias de governo, chegando para o trabalho às 7 da manhã e saindo altas horas da noite representando o município em vários acontecimentos dentro e fora de Uberlândia, cumpriu o primeirocompromisso com a Dystak’s e atendeu nossa equipe, falando sobre sua administração, vida pessoal e como é lidar com o povo.

Fazendo um resumo em reportagem exclusiva com a equipe Dystak’s, o prefeito Gilmar Machado faz nesta edição um resumo de sua vida antes da política, após ser eleito deputado e hoje como prefeito de Uberlândia. Ele nos atendeu em seu gabinete e durante algum tempo falou, sorriu e em algumas vezes tirou de letra algumas coisas que aconteceram ou estão acontecendo em sua vida. No entanto, esteve o tempo todo disposto e respondeu todas as perguntas, inclusive oferecendo dados oficiais apresentados pelo Secretário Municipal de Comunicação, Gustavo Moreira.

Dystak’s – Você nasceu e sempre recorda que tinha ideias boas. Quando é que surgiu a política?

Gilmar – Bom, nasci em Cascalho Rico e quando cheguei em Uberlândia em 1968 fui morar na Cidade Industrial, e estudar na escola de lá. Foi ali que sempre acompanhava lideranças políticas de Uberlândia e do Brasil, que me inspiraram e fizeram com que eu também desejasse dar a minha contribuição para o povo, as cidades e o país como um todo.

Quais os políticos que te inspiraram?

Na época eu tinha uma admiração imensa pelo Juscelino Kubitschek por causa de tudo o que ele fez por Minas e pelo Brasil. Na adolescência tive contato com Luíz Inácio Lula da Silva que é até hoje o meu grande referencial. Agora política você faz com o povo, vive para o povo e luta para o engrandecimento de cada população. É lógico que ás vezes não atendemos um pedido de imediato, mas temos que dar sempre uma resposta a cada cidadão. Isso é o mínimo que o político pode fazer. Temos que dar satisfação e atender bem a nossa gente. Numa eleição há todo um euforismo, atuação da militância, mas depois de cada pleito temos que trabalhar pela cidade sem pensar em sigla partidária, embora sempre respeitando os companheiros que estão diretamente ligados a nós.

100 dias já se passaram. Hoje você avalia que recebeu a Prefeitura em condições satisfatórias de governabilidade?

Em relação ao que eu tenho visto com alguns colegas prefeitos eu não posso reclamar, mas lógico que todos nós recebemos com dificuldade e agora estamos montando a nossa equipe. Quando você assume uma equipe com pessoas de vários partidos, leva-se um tempo até você montar um time, mas felizmente a equipe é muito boa e tem me ajudado a enfrentar todas as dificuldades.

O orçamento que lhe foi transmitido – da ordem de um bilhão e setecentos mil reais – está fundado em bases reais?

Não. Estes números não procedem, já que o orçamento de 2012 era de um bilhão trezentos e quarenta milhões de reais, então nós dificilmente vamos conseguir chegar ao que queremos que é um bilhão e meio. Portanto teremos que fazer um remanejamento na ordem de duzentos milhões, o que não tem sido fácil.

Quais setores da administração têm merecido maior atenção nesse início de mandato?

Primeiramente, o setor da saúde. Eu gostaria que fosse algo que nós já tivéssemos equacionado. No entanto, esta é para nós a maior preocupação, por isso temos trabalhado intensamente para que possamos reorganizar. Por isso, já criamos e mandamos o projeto para a aprovação da Câmara e já foi aprovada a criação de uma Fundação Municipal de Direito Privado para que possamos começar a ter uma interferência e controle maior na área da saúde.

Esta fundação resolverá o problema da falta de leitos e as internações de alta complexidade?

Não, mas pelo menos nós vamos diminuir bastante esses problemas. Vamos melhorar a qualidade da atenção e ao mesmo tempo teremos uma carreira mais atrativa para o funcionário da saúde, aquele cidadão que está sempre preocupado com o bem estar dos outros.

E na área da educação, quais têm sido ou serão suas primeiras medidas?

Na educação estamos trabalhando fortemente para garantir que todas as crianças, principalmente as de 0 a 5 anos onde nós temos mais de dez mil fora da sala de aula, estejam na escola.

Outro problema é a formação permanente dos professores, pois a marca da nossa administração é “Uberlândia Uma Cidade Educadora” e uma cidade que educa tem de valorizar o profissional da educação. Nós já temos a Mesa Permanente de Negociação e vamos assegurar o pagamento do Piso Salarial Nacional para os trabalhadores da educação e, acima de tudo, a sua formação permanente, porque se nós queremos ter uma cidade melhor temos que trabalhar intensamente na educação e essa é uma das minhas prioridades.

Um dos problemas que tem se agravado em Uberlândia é o do trânsito que está cada dia mais tumultuado. Quais são suas propostas para o setor do trânsito e do transporte coletivo?

Primeiro, nós temos realmente que priorizar o transporte de massa. Já conseguimos viabilizar recursos para que nós possamos fazer mais cinco corredores de ônibus e ampliar os já existentes, construir quatro novos terminais para que possamos garantir um transporte público de qualidade para a população. Em todos esses novos terminais nós teremos bicicletários, ou seja, as pessoas irão até os terminais de ônibus de bicicleta, utilizam os ônibus, retornam e pegam novamente suas bikes. A nossa proposta é incentivar a utilização da bicicleta no nosso município e, ao mesmo tempo, uma nova educação para o trânsito. Sem a educação no trânsito alguns motoristas lamentavelmente desrespeitam as leis, então precisamos fazer alguma coisa para mudar a formação e a mentalidade dos motoristas.

Como sua administração pretende encarar a séria questão da segurança em Uberlândia, onde assaltos e homicídios se tornam cada vez mais freqüentes?

A segurança é algo que nos preocupa muito. Inclusive no encontro que tivemos com o governador ele ressaltou que hoje a segurança de Uberlândia preocupa o Estado, já que com as intensificações no Rio de Janeiro e São Paulo das Unidades Pacificadoras, uma parte da criminalidade tem se deslocado para o interior, e Uberlândia é vista hoje por estes infratores como um espaço de fácil locomoção e aqui estão instalando seus comandos, então estamos nos preparando para enfrentar essa situação. O Governo do Estado, formando parceria com a prefeitura, vai ampliar o vídeo monitoramento, cumprindo um programa de governo, começando pela região do Luizote de Freitas e do São Jorge, levando para os bairros o sistema que o Centro de Uberlândia tem. Vamos intensificar esse trabalho não só na área urbana como também na área rural. Nós já vamos construir 4 casas para a Polícia instalar seu posto permanente em Miraporanga, já que será um dos distritos que mais irá se desenvolver nos próximos anos com a instalação de uma grande usina de álcool e também com a produção de laranja na região. O asfaltamento Uberlândia/Campo Florido é outro benefício que vai impulsionar o distrito e estamos nos preparando para que ele possa realmente crescer já levando a segurança para o campo.

Você vai mesmo instalar a Guarda Municipal? Qual será seu âmbito de atuação?

Essa é uma das questões que, a partir do momento em que ampliarmos o vídeo monitoramento, o número de policiais, com a chegada de novos delegados e a construção da nova delegacia, nós vamos então partir para um novo processo que é termos a Guarda Municipal. Nossa ideia é que em 2014/2015 ela já possa começar a funcionar.

Hoje você não é mais dono de si, o povo o escolheu como representante. Isto não traz problemas para o Gilmar Machado, família?

Não. Esta é uma coisa que eu não abro mão. Passo meus domingos junto a minha família. Vou à igreja, não abro mão de comer pastel na feira com meus filhos e minha esposa. Durante a semana trabalho muito, até tarde quando necessário, mas durante o final de semana eu dedico meu tempo à minha família. Aliás, o berço que me inspira a realizar o trabalho que posso, o que deveria ser pensamento de todo cidadão.

Como será o enfrentamento do gravíssimo problema das drogas que tem infelicitado tantas famílias em Uberlândia?

Primeiro eu entendo que este é um debate duro, difícil e que há primeiro a necessidade da prevenção. Quando você abre clínicas de recuperação você está na verdade “enxugando gelo”. Por isso queremos trabalhar fortemente na prevenção e para isso tanto a Secretaria Antidroga e Defesa Social quanto a Secretaria de Desenvolvimento Social vão trabalhar articuladas junto à Secretaria de Saúde para que possamos intensificar os trabalhos nos bairros. Estamos construindo no Shopping Park, Campo Alegre e na região norte as praças da juventude para cultura e esporte, para termos novos espaços e novos meios de disputar a juventude com o tráfico.

Apesar do grande número de moradias populares construídas, a cidade continua com carência habitacional. Você pretende construir novos imóveis para a população de baixa renda, inclusive permitindo criação de loteamentos da zona rural?

O certo é que vamos ampliar e intensificar o programa Minha Casa Minha Vida. Nossa meta é fazer dez mil moradias em quatro anos. A Secretaria de Habitação está com uma tarefa muito grande junto à Secretaria de Planejamento Urbano, mas nossa meta é utilizar primeiro as áreas que já temos dentro do perímetro urbano para depois pensarmos nas demais. O investimento é muito alto quando você tem que pensar na instalação de água e esgoto para cada setor. Há também um compromisso meu e que vou cumprir que só serão iniciados empreendimentos novos em Uberlândia no programa Minha Casa Minha Vida se juntos começarem escolas, postos de saúde e praças.

Outro problema crônico da cidade é o dos alagamentos em época de chuvas, que provocam constantes transtornos mesmo com diversas intervenções que foram feitas. Como você pretende enfrentar essa grave questão?

Estamos preparando um projeto de saneamento para a cidade que será apresentado até o final do ano junto com o PAC2. Já fomos contemplados com o da água e também com o projeto dos corredores. O próximo que vamos fazer é para a área de drenagem que é uma coisa que Uberlândia precisa muito, principalmente na região da Avenida Getúlio Vargas (centro), no Bairro Cazeca e nas imediações do Camaru que são locais que temos problemas sérios com a drenagem. Estamos preparando um projeto junto à Secretaria do Meio Ambiente. Nós temos mais vinte e quatro parques lineares em Uberlândia que precisam ser reestruturados e junto deles queremos fazer as drenagens, pois você não faz um parque linear sem fazer drenagem e essa é uma necessidade de Uberlândia. Estamos preparando um projeto para viabilizarmos recursos junto ao Ministério do Meio Ambiente e também à ANA (Agência Nacional de Águas) para que possamos, ao mesmo tempo em que fazemos a drenagem, garantir a preservação da água dos dois principais mananciais de Uberlândia que são o Bom Jardim e o Uberabinha.

Quais são suas prioridades no setor viário urbano?

O governador já nos comprometeu que em abril retomaremos as obras do Anel Sul que para nós é fundamental, já que é um complemento dentro do município de Uberlândia. Estamos esperando que as obras do viaduto do Segismundo Pereira junto ao CEASA retomem o mais rápido possível agora que houve um entendimento com a CEMIG. Com os corredores também teremos mais três novos viadutos que para nós também são essenciais. Eles serão construídos nas Avenidas Olegário Maciel, na Paraná e na Francisco Galassi, obras que esperamos ser de importância para o povo, motivo de todo o esforço da equipe do Executivo Municipal.

Em uma notícia divulgada no primeiro mês de seu mandato, foi anunciado que Uberlândia não tinha capacidade para sediar competições da Copa do Mundo e Olimpíadas. O prefeito endossa esta tese?

Não. Quanto à Copa do Mundo estamos fazendo o possível para que possamos sediar e receber os visitantes. Agora em relação às Olimpíadas de 2016, Uberlândia terá um ou mais países se hospedando na cidade. Os representantes de alguns países já têm comparecido em Uberlândia e teremos informações em breve. Uberlândia é hoje um dos maiores centros de treinamentos paralímpicos do Brasil. Você há de convir que com a vinda de qualquer delegação ou delegações para um centro de treinamento em nossa cidade vai aumentar a nossa capacidade em todos os sentidos. O setor hoteleiro está preparado, o comércio vai ter grande reação assim como restaurantes, serviços de transportes e outras atividades. Até vocês da imprensa serão contemplados. Seremos um centro de atrações de quem se hospedar aqui e para isto todos temos que trabalhar sério ao invés de ficar espalhando boatos maldosos. A semente deste projeto foi lançada, está germinando e crescendo. Agora  estamos esperando colher os frutos.

Você se elegeu com uma ampla coligação partidária. Já foi possível acomodar em sua administração todos os interesses dos partidos que o apoiaram ou a luta por espaços e cargos políticos continua? Como conduzir essa situação?

Felizmente os 13 partidos já foram atendidos e nós estamos agora muito tranquilos em relação a esta questão. Temos conversado sobre isso com muita tranquilidade e mesmo os dois novos partidos que vieram fazer parte da nossa base estamos nos entendendo e com o tempo aumentará a participação deles. Isso faz parte do jogo na política, mas com os cargos principais da cidade e gestão nós não fizemos nenhum tipo de compromisso e todos os partidos sabem disso. Tanto é que nas Finanças, na Administração, Comunicação, Governo, Saúde e na Educação são cargos que não negociamos e não existe nenhuma participação. Nos demais cargos temos pessoas que foram indicadas e que são afinadas com um perfil técnico e político. Estou muito feliz com minha equipe.

No próximo ano teremos eleições para a Presidência da República, Governo do Estado e Senado, além de deputados federais e estaduais. Na condição de prefeito, como o senhor pretende participar desse pleito?

Primeiro vou priorizar o governo para que possamos continuar a ter uma parceria tanto com o governo do estado quanto com o federal. Lógico que como militante e presidente da AMVAP quero fazer com que Uberlândia aumente a sua representação, tanto com deputados federais ou estaduais, os quais já estamos levando alguns nomes para as reuniões. Esse é um compromisso que eu tenho com os partidos das bases.

O governo federal tem participado e atendido os seus pedidos?

Não tenho o que reclamar nem do governo federal nem do governo estadual.

Como está a conjuntura com o governo estadual?

Temos tido um bom relacionamento. O deputado Luiz Humberto tem sido realmente um parceiro enorme nesse processo, onde tem intermediado encontros com o governador Antônio Anastasia. Tenho contato com o apoio incondicional dos deputados estaduais Elismar Prado, Tenente Lúcio, Leonídio Bouças e Liza Prado para todos os projetos de interesse do Município em Belo Horizonte. E em Brasília, estou muito feliz com o trabalho dos deputados federais Weliton Prado e João Bittar. Como eu disse, nós temos tido boas parcerias tanto com o governo estadual, quanto com o governo federal.

As entidades de classe têm participado da administração?

Temos tido várias reuniões. O G7 tem participado ativamente, inclusive do plano de segurança que estamos fazendo para o município. FIEMG, CDL, OAB, Sociedade Médica, Sindicato Rural, Fundação Maçônica e ACIUB, que formam o G7, têm sido grandes parceiros.

100 dias de governo. O prefeito de Uberlândia está feliz?

Logicamente que todos nós sempre queremos mais, é igual ao professor. O aluno tira 9,9, mas sempre achamos que poderia ser 10, então acho que pelos 100 dias de governo estou feliz. Feliz primeiramente por ter uma equipe realmente integrada com disposição e vontade que me anima muito, pois ninguém faz nada sozinho. Acho que até agora tivemos experiências bem sucedidas, mas que demonstram que ainda podemos fazer mais. É exatamente isto que vamos continuar perseguindo.

11 de abril, dia do Prefeito de Uberlândia. Parabéns Gilmar!

(Risos) Sou eu quem agradeço. Agora espero realmente poder continuar a dar a minha contribuição porque se Uberlândia está dessa forma, é fruto de vários prefeitos que passaram por aqui e deram as suas contribuições. Eles vão ter da minha parte todo o meu respeito e admiração, mesmo aqueles que nós tivemos diferenças políticas também deram a sua contribuição para o desenvolvimento e progresso da cidade. Portanto todos têm o meu reconhecimento e espero sinceramente poder deixar a minha marca assim como eles deixaram as suas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *