Em Uberlândia empresários da gastronomia buscam a excelência e os consumidores são os protagonistas

No início do ano, todos se enchem de expectativas, mas também é comum que as pessoas se preocupem com a economia, a inflação, com os negócios, os compromissos e obrigações financeiras como ocorrem anualmente. São vários impostos, material escolar, preocupação em alavancar os empreendimentos, o carnaval entre outras situações. Até mesmo porque o comentário é de que o Brasil funciona normalmente, depois do carnaval. Apesar dessas variáveis que influenciam no comportamento do consumidor, percebe-se que as pessoas continuam consumindo bastante, especialmente no setor de alimentação, com destaque para os restaurantes, churrascarias, pizzarias, sanduicherias, confeitarias, entre outros que acabam alavancando o setor e movimentando a economia.

Em Uberlândia existe muita variedade no que diz respeito à abertura de negócios voltados para a área da gastronomia. É comum encontrar os lugares lotados, com dificuldade para estacionar e encontrar mesa para acomodação. Nos shoppings, hotéis, hipermercados, no corredor gastronômico da cidade, desfilam pessoas de todos os níveis da alta sociedade consumidora.
O que mais chama a atenção é a grande quantidade de locais diferenciados que são abertos na cidade, como os que apresentam uma decoração inovadora e temática, com comidas típicas, rápidas, exóticas, sabores diferentes que enchem os olhos pela aparência, estilos que vão dos mais simples aos mais requintados, para atender todos os tipos de clientes. Além dos estabelecimentos já existentes, os tradicionais que inovam com o intuito de agradar.
Nesse contexto, percebe-se que lugares como esses têm despertado a atenção dos consumidores, pela comodidade, conforto, qualidade que lhes são proporcionados, e a diferenciação pode se tornar fator decisivo no momento da escolha.
A nossa equipe entrevistou empresários que apostam nesse tipo de negócio e que são bem sucedidos, empreendedores que trabalham muito para se adequarem ao que buscam os vários consumidores.

O empresário Eduardo Bittar, que está à frente do Portal Restaurante e da confeitaria Doce Mania, atua nesse segmento há 22 anos, e afirmou que o público está mais exigente e preocupado com a qualidade de vida. “As pessoas gostam de comer bem e a falta de tempo faz com que elas se habituem a comer fora de casa, mas há os que se preocupam com uma alimentação mais balanceada, têm os que gostam de comer no restaurante nos finais de semana com a família, inclusive preparamos um cardápio especial para esse período. São várias as situações, que influenciam no comportamento do consumidor e nós estamos nos adaptando cada vez mais para agradar aos clientes”.

Evilásio Barros de Almeida, há quatro anos como proprietário da franquia Chopp Time em Uberlândia, acredita que a demanda nos restaurantes cresceu, por causa do famoso turismo de negócios da cidade. “Tem muita gente de fora, além dos universitários, muitas famílias que optam por sair e comer fora de casa, até mesmo porque fica mais em conta do que fazer a comida, considerando o tempo que vão perder no supermercado e na cozinha preparando. Outro fator relevante é a questão da qualidade, as pessoas estão exigindo um padrão melhor nesse quesito. A população sabe o que quer, principalmente por prezar muito a essa questão. Os comerciantes no geral buscam inovar, com atendimento diferenciado, atrações, promoções, para fidelização do cliente”, ressaltou.

O empresário Leandro Rosa Borges, que administra junto com a família: Fabiano Rosa Borges, Fabiana Rosa Borges e Daniela Alves de Oliveira, o restaurante de comida mineira, Fazendinha Sabiá, disse que a demanda no setor de alimentação aumentou. “O restaurante teve um aumento de 30% no último ano e no que diz respeito ao fornecimento de marmitex, especialmente para as empresas. Vamos ampliar o nosso espaço para atendermos melhor, visando um crescimento de até 50%. E ainda vamos aumentar a variedade de pratos frios e tipos de carnes para agradar ao consumidor que busca uma alimentação mais balanceada. Focamos na estrutura e no excelente atendimento, prezamos atender como gostaríamos de sermos atendidos, com carinho e amor, por isso buscamos melhorar sempre”.

Com mais de quatorze anos de atuação na gastronomia uberlandense o empresário Lázaro Batista da Silva, nos falou sobre os públicos interno e externo. “Falta mão de obra qualificada, precisamos investir nos funcionários, oferecer bons salários, conscientizando eles da importância do bom atendimento e da qualidade, sempre trazendo-os para o nosso lado. Na equipe temos pessoas que estão conosco desde o início. Em relação ao público externo, ele valoriza muito a qualidade da comida e a atenção. Por isso montamos o prato de acordo com o que o cliente solicita, trocamos as guarnições para satisfazermos a vontade do consumidor, as pessoas gostam de se sentirem em casa, serem tratadas pelo nome, querem ficar a vontade, finalizou”.

Adriana Cláudia de Oliveira Testa proprietária do Pesque Pague KM 15, afirmou que esse setor está em constante crescimento. “O nosso negócio está bastante aquecido, porque tudo envolve alimentação, as pessoas gostam de comer bem, buscam pela qualidade dos produtos e principalmente o que oferecemos. Temos outros tipos de carne, mas os clientes gostam muito de peixe, como petiscos e também durante as refeições, a demanda aumentou, as pessoas estão mais preocupadas com a qualidade de vida. No último ano tivemos um crescimento gradativo de 30%, estamos no mercado há 18 anos e fazemos tudo com capricho, uma comida gostosa e fresquinha, então o cliente gosta e volta”.

Leurye Silva Guimarães trabalha com gastronomia há 17 anos, hoje tem seu próprio restaurante, o Purê. Inclusive ele mesmo prepara os pratos e acompanha desde a compra dos ingredientes até chegar o produto à mesa para o consumo. “As pessoas estão mais conhecedoras, a cultura delas está diferente, devido a essa mudança nas classes sociais e o aquecimento na economia, elas viajam mais, vão a lugares diferentes, e estão com o paladar mais exigente, então o setor está movimentado. Houve crescimento no serviço de delivery. O nosso restaurante foca em proporcionar o melhor ao cliente, porque ele quer o que é bom e não se importa em pagar mais por esse padrão de qualidade. Além de oferecermos muita variedade a eles, desde petiscos para o happy hour, lanches, buffet de massas e até pratos a La Carte, com cardápio variado e sistema de reservas buscamos fidelizá-los”.

Os empresários, Valter Barbosa Ferolla Júnior e Talita Souza Tiago Ferolla administram dois tipos de negócios no mesmo segmento que são: Ferolla Pizzas e UAU UAU Quente. Nos dois locais eles priorizam o lazer da família e foram uns dos pioneiros a oferecerem play ground para crianças em Uberlândia nesse setor, através da pizzaria. “Damos assistência para os pais e aos filhos, as famílias trazem as crianças e ficam em média duas horas por aqui, tranquilos enquanto elas se divertem. Nós nos adequamos de acordo com que o cliente procura, as pessoas valorizam mais o sabor, a qualidade dos alimentos, o que precisa predominar mesmo. O público está mais exigente no que diz respeito a horário e atendimento, algo que se torna desafiante, porque dependemos do serviço da equipe para atendermos a expectativa deles. Acho que o atendimento a La Carte está com os dias contados, porque são necessárias pessoas qualificadas para satisfazerem os consumidores. Além da mão de obra, em minha opinião o que falta no setor de alimentação é estacionamento, nos comércios em geral existe essa deficiência, afirmou Valter Barbosa”.

Com 19 anos no mercado, o empresário Amaral Luiz, administra junto com seu irmão Carlos Luiz, a Estação Lanches, ele falou que apesar do reflexo da inflação alta que retrai um pouco o consumidor, o setor está sempre movimentando a economia. “Além dos clientes que temos, estamos buscando clientes novos, divulgamos a marca, veiculamos nas mídias, fazemos entregas para as empresas, estamos sempre diversificando e pensando no cliente. Temos tradição, qualidade, boa higiene, e estamos aqui para atender bem, o cliente é o nosso principal objetivo, então estamos otimistas de que o resultado será bastante positivo”.

Aldair Olívio dos Santos, gerente da Cantina da Moqueca, trabalha na peixaria desde a inauguração, há 14 anos, ele afirmou que o cliente do restaurante valoriza mais a questão da saúde, principalmente pessoas que tem restrições alimentares, mas a casa oferece outras variedades de carnes, inclusive de pratos para as crianças que não comem peixe. Em relação ao mercado, ele disse que o ano iniciou muito bem. “Agora vai aquecer mais ainda levando em consideração que está chegando a Quaresma, período da Semana Santa, excelente para nós. Os nossos clientes sabem que os nossos produtos valem à pena, que é coisa boa. Temos vários consumidores, que nem olham no cardápio, já chegam direcionados sabendo o que vão pedir”.

Ronaldo Divino dos Santos administra junto com sua esposa Marli Silvério, há 13 anos, a Hot Pizza, empresa que segundo Ronaldo foca no atendimento e qualidade do produto final. Além de oferecer para o consumidor a comodidade de entregar em casa, e proporcionar que os clientes busquem no balcão, fazendo com que ganhem tempo. No que diz respeito ao setor de alimentação ele disse que está em alta e quanto ao seu tipo de negócio obtém resultados positivos, mas deixa claro que o maior desafio é conseguir mão de obra qualificada.

Levando em consideração os depoimentos acima citados, notamos que o setor está bastante favorável e tende a crescer ainda mais. Os empresários estão preocupados em atender ao máximo a necessidade do cliente e se enquadrarem no mais alto padrão de exigência, investindo muito em ampliações, variedades, diferenciação, comodidade, buscando a excelência e a fidelização do cliente. Sendo assim o público, o protagonista, está sendo cada vez mais beneficiado.

Comportamento

Segue abaixo dicas de especialistas que mostram como se organizar em relação ao fator tempo e como as pessoas podem se alimentar bem sem prejudicar a saúde.
A Psicóloga Dra. Adriane de Melo Silvestre explicou que a alimentação influencia no bem estar familiar. “Muitas pessoas levam uma vida tumultuada e estressante na sua rotina diária. Devido à falta de tempo para almoçar em casa e o horário a cumprir com as atividades diárias percebe-se um aumento na procura pelos restaurantes. O fato de tanto o homem quanto a mulher trabalharem fora é um dos motivos para que isto aconteça, por não terem tempo para cozinhar em casa e também, por, normalmente as empresas ajudarem nos gastos com as refeições”.
“Para aqueles que têm família alguns estão optando pelo uso de marmitas para que consigam se reunir e mesmo que o tempo seja mínimo buscam estar com seus filhos. É importante buscar estratégias que facilitem nossa vida, contribuindo para o bem estar de toda a família, sem desfavorecer e nem causar prejuízos tanto emocionais quanto orgânicos a todos. Procurar oferecer alimentos de qualidade e feitos com responsabilidade e carinho é essencial”, ressaltou a psicóloga.
A nutricionista Gleyciane Isaac Curi especialista em Nutrição Clínica, Obesidade e Emagrecimento trabalha há três anos no Liverpool Clube e atua como responsável técnica na área de alimentação em outras empresas de Uberlândia orientando como as pessoas podem se alimentar bem sem prejudicar a saúde.
“Atualmente, tanto nas churrascarias como nos fast foods são oferecidos aos clientes, além das opções calóricas e gordurosas, opções de alimentos saudáveis, como saladas, grelhados e sobremesas a base de frutas. É uma questão de escolhas.
Na churrascaria, por exemplo, o cliente deve optar por começar pelas saladas cruas e sem molhos, evitando as saladas com maionese e carboidratos, tipo macarrão e batata. Optar por carnes mais magras retirando sempre a gordura visível, e como acompanhamento escolher apenas uma fonte de carboidrato pouco gorduroso (arroz, pão). O suco natural é uma ótima opção de bebida. A sobremesa não precisa ser desprezada basta evitar aquelas ricas em açúcares e gorduras como sorvetes, chocolates e chantillys, optando por outras à base de frutas como banana flambada, salada de frutas e compota de frutas”. Outro fator relevante que pode ser um aliado ou o vilão da história é o tempo, ela ressaltou que necessita de atenção e cuidado. “Devido à falta de tempo, torna – se cada vez mais comum às pessoas pularem as refeições ou fazê-las muito rapidamente.
Quanto mais rápido você se alimenta, menos tempo o cérebro tem para receber a mensagem e ativar os mecanismos de saciedade. Isto significa que a pessoa precisará comer sempre um pouco mais para se sentir satisfeita. É indicado fazer em média uma refeição a cada três horas, sempre com opções pouco calóricas”.

Dicas para não exagerar
Alimente-se somente sentado em lugar
determinado e tranqüilo;
Servir alimentos em prato pequeno;
Descansar o garfo entre as porções;
Deixar a mesa assim que terminar a refeição;
Não ter outra atividade na hora da alimentação, como ler ou assistir TV;
Não tenha o hábito de beliscar. Respeite os horários das refeições;
Não deixar os alimentos mais calóricos à vista e sim as frutas;
Não fazer compras no supermercado sem antes se alimentar;
Fazer lanches utilizando verduras e frutas frescas;
Suprir a casa com alimentos saudáveis.

A realização de atividade física é tão importante quanto à reeducação alimentar. Independente de qual seja, ela contribuirá para a perda de peso, melhora no sono, além de trazer benefícios para a circulação, respiração, funcionamento do intestino e bem estar mental, ressaltou a nutricionista Gleyciane Isaac Curi.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *